Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,98
    -0,51 (-0,78%)
     
  • OURO

    1.868,90
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.172,64
    -1.305,20 (-2,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.213,27
    -39,87 (-3,18%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    27.912,13
    -494,71 (-1,74%)
     
  • NASDAQ

    13.188,00
    -24,00 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4324
    +0,0023 (+0,04%)
     

Anvisa nega permissão para importação de vacina Sputnik V

·3 minuto de leitura
Funcionário da saúde com dose da vacina Sputnik V contra a covid-19, em Buenos Aires, em fevereiro de 2021
  • Agência foi unânime ao rejeitar imunizante

  • Vacina está sendo usada em México, Argentina e Venezuela

  • O pedido de uso emergencial da Sputnik V está pendente desde o final de março

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou nesta segunda-feira (26) um pedido de vários estados brasileiros para importar a vacina russa Sputnik V contra o coronavírus, ao considerar que o imunizante carece de dados técnicos para verificar sua segurança e eficácia.

 “Jamais permitiremos, sem que existam as devidas provas necessárias, que milhões de brasileiros sejam expostos a produtos sem a devida comprovação de sua qualidade, segurança e eficácia ou, no minimo, em face da grave situação que atravessamos, uma relação favorável risco-beneficio”, declarou Antonio Barra Torres, presidente Anvisa.

 Os cinco diretores da Anvisa seguiram as recomendações da área técnica da agência, que identificou diversas "incertezas" em relação à segurança e eficácia do imunizante, que ainda não foi aprovado pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) ou pelo FDA (Administração Federal de Alimentos e Medicamentos) dos Estados Unidos.

 A vacina, de vetor viral, está sendo usada em vários países além da Rússia, incluindo México, Argentina e Venezuela.

 Em fevereiro, a revista Lancet relatou que a Sputnik V foi 91,6% eficaz, esclarecendo dúvidas sobre sua confiabilidade.

 Mas técnicos da Anvisa afirmam que a publicação em revista científica de prestígio não tem os mesmos requisitos de aprovação em órgãos reguladores.

 “Uma avaliação sanitária é diferente da que é feita por uma revista científica. Uma revista científica não tem por objetivo recomendar ou não o uso de uma vacina, nem tem o compromisso de verificar boas práticas clínicas ou tem como pressuposto o acesso a todos os dados brutos e laudos" do estudo, explicou Gustavo Mendes, técnico da Anvisa responsável pela gerência.

 Estados haviam assinado acordo

Uma dezena de estados do Norte e Nordeste do Brasil assinaram contratos com o Fundo Soberano da Rússia (RDIF), que financiou o desenvolvimento da Sputnik V, para a compra de 37 milhões de doses. O governo federal adquiriu outros 10 milhões.

 A rejeição dos pedidos de importação é "um retrato desse momento, do que foi possível analisar até o momento", ponderou Bara Torres.

Além das duas vacinas que estão em uso desde janeiro no Brasil (Coronavac e AstraZeneca), A Anvisa já autorizou o uso dos imunizantes Janssen e Pfizer-BioNTech, que ainda não chegaram ao país.

 O pedido de uso emergencial da Sputnik V está pendente desde o final de março, mas a Anvisa não concluiu a análise, alegando justamente essa falta de informação.

 De acordo com o Centro Gamaleya, instituto russo de pesquisas em epidemiologia e microbiologia que fabricou a vacina, a Sputnik V foi aprovada por mais de 60 países.

 Embora ainda não tenha recebido autorização do regulador europeu, a Alemanha anunciou na semana passada que planeja comprar 30 milhões de doses da vacina.

 O Brasil, de 212 milhões de habitantes, acumula mais de 390.000 mortes por covid-19 e até agora conseguiu vacinar 27,3 milhões pessoas com a primeira dose e 11,6 milhões com a segunda.