Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,64
    +0,36 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.844,80
    +14,60 (+0,80%)
     
  • BTC-USD

    19.466,95
    +518,05 (+2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,60
    +8,19 (+2,19%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.488,25
    +34,00 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2562
    -0,0636 (-1,01%)
     

Anvisa não sofrerá pressão externa na análise de vacinas contra Covid-19, diz diretor

Por Ricardo Brito
·1 minuto de leitura
.
.

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra, afirmou nesta quarta-feira que não haverá qualquer influência externa na avaliação pelo órgão regulador de candidatas a vacinas contra Covid-19, em meio a embate entre o presidente Jair Bolsonaro e governadores sobre o eventual uso de uma vacina chinesa no país.

"Para nós, pouco importa de onde vem a vacina ou de onde é o país de origem", disse Barra após reunir-se no início da tarde com o governador de São Paulo, João Doria, cujo governo participa do desenvolvimento da vacina chinesa por meio do Instituto Butantan.

"Nos manteremos fora da discussão política, fora de outra discussão que não seja o norte de entregar respostas vacinais aos brasileiros", acrescentou.

Barra destacou que o dever constitucional da agência reguladora é dizer que a vacina garante a imunidade. Ele disse que, embora o foco do órgão seja a questão do Covid-19, não é possível dar prazo para que haja a autorização de uso da vacina produzida pelo Butantan ou outros locais.

Mais cedo nesta quarta, Bolsonaro vetou acordo anunciado na véspera para que o Instituto Butantan fornecesse 46 milhões de doses da vacina da Sinovac ao Ministério da Saúde.