Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.435,58
    +229,87 (+0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Anvisa muda exigências sobre vacinas; Sputnik V se aproxima da liberação

Fidel Forato
·3 minuto de leitura

Nesta quarta-feira (3), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou que irá modificar a lista de requisitos mínios para a liberação do uso emergencial (e temporário) de vacinas contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2) no Brasil. Com as normas atuais, apenas dois imunizantes contra a COVID-19 foram liberados pela agência: a CoronaVac e a vacina de Oxford.

Com a nova alteração, a Anvisa não exigirá mais que a vacina contra a COVID-19 realize os testes de Fase 3 no Brasil, segundo divulgou a CNN. Até então, todo imunizante deveria envolver voluntários brasileiros durante a pesquisa de eficácia e segurança de Fase 3, como a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) coordenou com a vacina Oxford e o Instituto Butantan com a CoronaVac.

Mudança da Anvisa deve facilitar a entrada de vacinas contra a COVID-19 no Brasil, como a Sputnik V (Imagem: Reprodução/ Karolina Grabowska/ Pexels)
Mudança da Anvisa deve facilitar a entrada de vacinas contra a COVID-19 no Brasil, como a Sputnik V (Imagem: Reprodução/ Karolina Grabowska/ Pexels)

A mudança deve facilitar a entrada de outras fórmulas no país, já que a medida era considerada limitante. Por exemplo, a vacina Sputnik V e a Covaxin poderão se beneficiar da alteração que não afeta, necessariamente, o rigor da autorização. Isso porque os estudos de Fase 3 ainda precisarão ser feitos e avaliados, só que em outras populações.

Sputnik V vai ser autorizada?

A medida era um dos entraves para a entrada da vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa Gamaleya, na Rússia. Isso porque a Fase 3 de testes do imunizante, ainda em andamento, não é realizada no Brasil. Inclusive, na terça-feira (2), os pesquisadores russos anunciaram a taxa preliminar de eficácia de 91,6% contra os casos sintomáticos da COVID-19.

Por outro lado, a farmacêutica União Química — que será, eventualmente, responsável por produzir e comercializar a fórmula por aqui — já solicitou que os testes sejam feitos nacionalmente, mas ainda aguardava a autorização da Anvisa. No entanto, a mudança das normas não deve implicar em uma autorização emergencial imediata da Sputnik V, mesmo que a farmacêutica já tenha solicitado também esta autorização.

Ontem (2), a Anvisa divulgou uma nota listando os documentos necessários para a liberação do seu uso nacionalmente. No texto, foi destacada uma diferença entre os tipos de armazenamento da fórmula entre aquela divulgada nos estudos clínicos e a que é proposta no Brasil. Além da Sputnik V, a alteração deve favorecer a burocracia que envolve a autorização emergencial da vacina Covaxin, desenvolvida pela farmacêutica indiana Bharat Biotech, que também não é testada no Brasil.

Vacina menos segura?

Mesmo com a mudança no guia de aprovação dos imunizantes, é importante frisar que ainda existem uma série de requisitos mínimos para que alguma farmacêutica receba uma autorização de uso emergencial para vacinas contra a COVID-19 no país, já que os dados de Fase 3 continuam obrigatórios.

"Todo o rigor da análise é mantido, e tendo dados de diferentes países, diferentes faixas etárias, etnias, de populações com diferentes fundos genéricos, podemos estar diante da aprovação de imunizantes com uma excelente capacidade de proteger a nossa população", explicou Mellanie Fontes-Dutra, PhD, divulgadora científica e doutora em neurociências, nas redes sociais.

"Vejo com bastante otimismo essa estrategia da Anvisa e espero que, em breve, possamos estar vendo mais imunizantes solicitando aprovação de uso emergencial aqui no BR", completa a pesquisadora sobre as mudanças.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: