Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.003,86
    +951,08 (+0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.897,79
    +629,34 (+1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,02
    +0,11 (+0,15%)
     
  • OURO

    1.799,10
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    37.085,62
    -895,57 (-2,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    875,86
    -39,63 (-4,33%)
     
  • S&P500

    4.422,30
    +10,51 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    35.144,31
    +82,76 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.025,43
    -2,15 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    26.192,32
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.956,83
    +123,54 (+0,44%)
     
  • NASDAQ

    15.103,75
    -14,00 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1111
    +0,0008 (+0,01%)
     

Anvisa interrompe testes da CoronaVac no Brasil após evento adverso grave

·3 minuto de leitura

Na noite desta segunda-feira (9), por determinação da Anvisa, o estudo clínico da vacina CoronaVac, uma das principais candidatas contra o coronavírus, foi interrompido. A causa, de acordo com a Agência, foi um "registro adverso grave" ocorrido com um dos voluntários envolvidos nos testes. A notícia veio horas depois de o governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), ter anunciado a chegada do primeiro lote da vacina, com 120 mil doses, com data para 20 de novembro.

Parceiro do laboratório chinês Sinovac na etapa de testagem, o Instituto Butantan, órgão ligado ao governo de São Paulo, alegou surpresa após receber a notícia. De acordo com Dimas Covas, diretor do Instituto, ocorreu um óbito sem qualquer relação com a aplicação da vacina, que atualmente se encontra na fase 3 — em que os voluntários são divididos em dois grupos, um que recebe o imunizante, e outro que recebe o placebo, uma substância que não causa efeitos ao organismo.

De acordo com a Anvisa, o evento adverso ocorreu em 29 de outubro e a medida de interrupção é padrão: quando algum problema é notificado, o protocolo é suspender ou pausar os testes. Dentre estes eventos considerados graves estão, além do óbito, aqueles que comprometam a saúde do voluntário, bem como incapacidade ou invalidez, necessidade de internação, anomalias congênitas e suspeitas de infecção por meio de dispositivos médicos. Apesar da nota, não se tem mais detalhes sobre o ocorrido. A Anvisa comunica o seguinte:

Esse tipo de interrupção é previsto pelas normativas da Anvisa e faz parte dos procedimentos de Boas Práticas Clínicas, esperado para estudos clínicos conduzidos no Brasil. Com a interrupção do estudo, nenhum novo voluntário poderá ser vacinado. A Anvisa reitera que, segundo regulamentos nacionais e internacionais de Boas Práticas Clínicas, os dados sobre voluntários de pesquisas clínicas devem ser mantidos em sigilo.

CoronaVac, a vacina do laboratório Sinovac em parceria com o Instituto Butantan e o Governo de SP (Imagem: Reprodução/Governo do Estado de São Paulo)
CoronaVac, a vacina do laboratório Sinovac em parceria com o Instituto Butantan e o Governo de SP (Imagem: Reprodução/Governo do Estado de São Paulo)

Para surpresa do Butantan

Em entrevista à TV Cultura, Dimas Covas relatou surpresa e esclareceu que o óbito não teve relação com a vacina.

Até estranhamos um pouco. É um óbito não relacionado à vacina. Como são mais de 10 mil voluntários nesse momento, a pessoa pode ter um acidente de trânsito e morrer. Isso em nenhum momento para a interrupção do estudo clínico. Isso foi colocado agora à noite pela Anvisa, não foi solicitado o esclarecimento. Solicito aqui para que amanhã, na primeira hora, sejam esclarecidos esses dados.

Também em nota, o Butantan afirmou já estar investigando as causas do que teria levado o voluntário à morte, e prestará esclarecimentos ainda nesta terça (10), às 11h, sobre este e possíveis outros eventos adversos que possam ter ocorrido com os voluntários dos testes. Confira trecho da nota do Instituto:

O Instituto Butantan esclarece que foi surpreendido, na noite desta segunda-feira, com a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e que está apurando em detalhes o que houve com o andamento dos estudos clínicos da Coronavac.

Já o Governo de São Paulo lamentou ter sido informado pela imprensa, e não diretamente pela Anvisa, sobre a suspensão dos testes:

O Governo de São Paulo, através do Instituto Butantan, lamenta ter sido informado pela imprensa e não diretamente pela Anvisa, como normalmente ocorre em procedimentos clínicos desta natureza, sobre a interrupção dos testes da vacina Coronavac.

O Butantan aguarda informações mais detalhadas do corpo clínico da Agência Nacional de Vigilância Sanitária sobre os reais motivos que determinaram a paralisação.

Até o momento, a última postagem do Butantan no Twitter, em relação à vacina, tem a ver com seu novo rótulo:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

E a Sinovac?

O laboratório chinês responsável pela formulação do imunizante também emitiu um comunicado à imprensa, no qual diz estar ciente do que aconteceu e que manterá contato com o Brasil para esclarecimentos e investigações. E comunica:

Depois de nos comunicarmos com o parceiro brasileiro do Instituto Butantan, soubemos que o chefe do Instituto acreditava que este grave evento adverso não está relacionado à vacina.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos