Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.557,67
    +698,80 (+0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.918,28
    +312,72 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,09
    +0,04 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.785,50
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    50.822,02
    -462,50 (-0,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.311,69
    -9,59 (-0,73%)
     
  • S&P500

    4.686,75
    +95,08 (+2,07%)
     
  • DOW JONES

    35.719,43
    +492,40 (+1,40%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.768,95
    +313,35 (+1,10%)
     
  • NASDAQ

    16.367,50
    +49,50 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3446
    +0,0049 (+0,08%)
     

Anvisa e USP conversam sobre futuro da vacina em spray contra covid-19

·1 min de leitura

Na terça-feira (19), os agentes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se encontraram com pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). O objetivo do encontro foi discutir as próximas etapas do desenvolvimento da vacina, em forma de spray, contra covid-19. A expectativa é que esta seja uma vacina brasileira contra o coronavírus SARS-CoV-2 de segunda geração.

"Durante a reunião, a Agência conheceu o projeto e encaminhou orientações aos desenvolvedores da vacina em relação aos parâmetros técnicos e formatos de estudos esperados pela Anvisa para este tipo de produto", explicou a agência, em nota.

Vacina em spray da USP contra a covid-19 está em desenvolvimento (Imagem: Reprodução/Astrakanimages/Envato Elements)
Vacina em spray da USP contra a covid-19 está em desenvolvimento (Imagem: Reprodução/Astrakanimages/Envato Elements)

Vacina brasileira em spray está em estudos pré-clínicos

Vale explicar que a potencial vacina brasileira contra a covid-19 é desenvolvida por membros do Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas da FMUSP. Por enquanto, a pesquisa está no estágio pré-clínico, ou seja, nas etapas de laboratório e de testes com animais.

Segundo a Anvisa, "ainda não há previsão de solicitação de autorização para os estudos clínicos com pessoas". Isso significa que os pesquisadores da USP ainda avaliam e investigam os efeitos do imunizante em etapas mais iniciais do processo.

No entanto, o encontro ocorreu porque os cientistas adotaram o método de "submissão contínua de desenvolvimento clínico de vacinas", o que demanda reuniões e compartilhamentos de informações regulares com a agência.

A ideia desses encontros é "possibilitar a análise preliminar das informações referentes ao projeto de desenvolvimento dos imunizantes. Com esses dados, é possível agilizar um posterior pedido de autorização de ensaio clínico da vacina", detalhe a Anvisa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos