Mercado fechado

Anvisa determina recolhimento de próteses médicas "reprocessadas"

Após identificar irregularidades, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou o recolhimento de produtos de uso médico, produzidos pela Empresa Víncula Indústria, Comércio, Importação e Exportação de Implantes S.A. Entre os itens "reprocessados" e recolhidos, estão próteses, parafusos e endopróteses, voltadas para a área da ortopedia.

A medida de recolhimento das próteses médicas foi tomada, após inspeção de agentes da Anvisa na fábrica. Durante a visita, "foi constatado que os produtos comercializados e distribuídos pela empresa estavam sendo reprocessados", explica a agência, em nota. No total, mais de 2 mil itens reprocessados foram identificados.

Em outras palavras, próteses que tinham passado da data de validade eram novamente esterilizadas e, em seguida, ganhavam um novo prazo de uso. "Foi observado que a empresa realizava a re-esterilização para colocar nova data de validade em produtos para saúde já esterilizados e não utilizados no prazo definido pelo fabricante", detalha a Anvisa.

"Considerando o risco associado à utilização de produtos reprocessados, em desacordo com a legislação vigente, a Anvisa determinou o recolhimento de todos os implantes reprocessados pela empresa", pontua.

Reprocessamento de próteses não está autorizado

Vale explicar que o reprocessamento de produto médico é um processo de limpeza e desinfecção ou esterilização. No entanto, apenas alguns tipos de produtos podem passar pelo procedimento. Este não seria o caso dos itens identificados na visita à fábrica.

"Os implantes registrados pela empresa Víncula não poderiam ser reprocessados uma vez que o reprocessamento de produtos implantáveis de qualquer natureza, como: cardíaca, digestiva, neurológica, odontológica, oftalmológica, ortopédica, otorrinolaringológica, pulmonar, urológica e vascular, é proibido pela Resolução RE nº 2.605, de 11 de agosto de 2006, que estabelece a lista de produtos médicos enquadrados como de uso único proibidos de ser reprocessados", acrescenta a Anvisa.

Anvisa esclarece quais medidas devem ser tomadas

Anvisa determina o recolhimento de próteses médicas que foram reprocessadas (Imagem: Chormail/Envato)
Anvisa determina o recolhimento de próteses médicas que foram reprocessadas (Imagem: Chormail/Envato)

Após a decisão, os serviços de saúde que tenham alguns dos produtos listados nos estoques devem solicitar o recolhimento por parte do fabricante, ou seja, o uso não está mais autorizado em pacientes.

Além disso, serviços de saúde que utilizaram as próteses em cirurgias devem realizar a vigilância e o monitoramento dos pacientes no pós-operatório. É necessário "avaliar se há a necessidade de qualquer ação em função do ocorrido. Além disso, os casos de infecções, queixas técnicas ou outros eventos adversos que possam ser associados a esses implantes devem ser notificados no Sistema Notivis", completa a Anvisa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: