Mercado abrirá em 8 h 23 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,31
    +0,03 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.828,50
    -7,60 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    57.523,52
    +2.063,19 (+3,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.553,25
    +1.310,57 (+540,04%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    27.910,60
    -103,21 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    28.007,27
    -601,32 (-2,10%)
     
  • NASDAQ

    13.191,00
    -155,00 (-1,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3360
    -0,0094 (-0,15%)
     

Anvisa defende decisão de vetar compra da vacina russa Sputnik V

Valeria PACHECO com Andrea PALASCIANO em Moscou
·3 minuto de leitura
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou que decidiu vetar a importação da vacina Sputnik V com base na informação enviada pelo próprio desenvolvedor russo, que ameaçou processar a agência por difamação

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou nesta quinta-feira (29) que decidiu vetar a importação da vacina Sputnik V com base na informação enviada pelo próprio desenvolvedor russo, que ameaçou processar a agência por difamação.

"As informações sobre a presença de adenovírus replicante [uma versão viva do vírus] constam nos documentos entregues à Anvisa pelo desenvolvedor da vacina Sputnik V", disse o diretor-presidente da agência, Antônio Barra Torres.

Após a rejeição de segunda-feira da importação de vacinas Sputnik V, os fabricantes russos anunciaram pelo Twitter a apresentação de uma ação judicial "por difamação contra a Anvisa por difundir informação falsa e incorreta".

"A Anvisa fez declarações incorretas e enganosas sem ter testado a vacina Sputnik V", destacaram os criadores do fármaco.

Barra ressaltou que a decisão da Anvisa baseou-se em evidências de que a vacina russa continha uma versão viva do adenovírus, que causa uma doença respiratória leve.

Barra Torres refutou as “graves acusações [do Sputnik] que impactam a confiança e credibilidade da autoridade sanitária brasileira”.

"A Anvisa foi acusada de mentir, de atuar de maneira antiética, e de produzir 'fake news' sobre a identificação do adenovírus replicante em documentos que tratam da vacina Sputnik V", acrescentou.

- A porta continua aberta -

Apesar da polêmica, Barra Torres assegurou que a vacina russa ainda pode ser autorizada no Brasil, mediante a entrega de mais informações.

A avaliação atual "é um retrato temporal, ele pode ser modificado. Não estamos fechando portas a absolutamente nada. Esses dados apresentados podem ser revistos, corrigidos e reapresentados", disse o diretor-presidente da Anvisa.

"Na segunda-feira passada não nos foi possível aprovar, o que nos deu grande tristeza. Foi o único motivo", acrescentou.

Após a declaração, o Instituto Gamaleya, fabricante do Sputnik V, reiterou que sua vacina não contém o vírus replicador.

“Que bom que a Anvisa começa a esclarecer a confusão que criou”, disse em seu Twitter.

O pedido de importação da vacina russa foi feito por governadores do Nordeste, preocupados com a falta de imunizantes.

O Brasil, onde a pandemia já causou 400.000 mortes, iniciou sua campanha de vacinação contra a covid com grande atraso.

Até agora, usa duas vacinas: a chinesa CoronaVac, produzida em colaboração com o Instituto Butantan, e a sueco-britânica AstraZeneca - feita em conjunto com a Fundação Oswaldo Cruz.

Os dois imunizantes têm sofrido, no entanto, atrasos nas entregas.

A Sputnik V, do laboratório Gamaleya, está sendo usado em vários países além da Rússia, incluindo Bolívia, México, Argentina e Venezuela.

Mas até agora não foi aprovada pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) ou pelo FDA (Federal Food and Drug Administration) dos Estados Unidos.

- Adenovírus -

Em sua exposição, os técnicos da Anvisa exibiram documentos e inclusive um vídeo de uma reunião virtual, realizada em março com os fabricantes russos para sanar estas dúvidas.

O problema se centra em um "vetor de adenovírus", um patógeno que normalmente causa doença respiratória leve, mas que nas vacinas é modificado geneticamente para impedir sua replicação.

Esse patógeno também é modificado para portar instruções de DNA a fim de que as células humanas desenvolvam a proteína 'spike' do coronavírus, causador da doença.

Isto, por sua vez, treina o sistema imunológico caso se depare com o coronavírus real.

O colegiado de cinco diretores da Anvisa acolheu a documentação da área técnica do organismo, que identificou diversas "incertezas" em relação à segurança e eficácia do imunizante, que ainda não foi aprovado pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA), nem pela FDA (Agência Federal de Alimentos e Medicamentos) dos Estados Unidos.

mel-val/js/lda/mvv/jc