Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.629,31
    +89,52 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.300,73
    +618,54 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,26
    +1,51 (+2,53%)
     
  • OURO

    1.714,30
    -19,30 (-1,11%)
     
  • BTC-USD

    50.662,65
    +2.881,21 (+6,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.012,29
    +24,20 (+2,45%)
     
  • S&P500

    3.826,75
    -43,54 (-1,12%)
     
  • DOW JONES

    31.318,80
    -72,72 (-0,23%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.748,75
    -306,50 (-2,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7529
    -0,1092 (-1,59%)
     

Anvisa dá registro definitivo da vacina da Pfizer contra a covid-19

·2 minuto de leitura
A vial of the Pfizer/BioNTech Covid-19 vaccine is seen ahead of the first rollout of vaccinations at the Castle Hill Medical Centre in Sydney on February 21, 2021. (Photo by STEVEN SAPHORE / AFP) (Photo by STEVEN SAPHORE/AFP via Getty Images)
Vacina da Pfizer/BioNTech está sendo usada em diversos países do mundo, como Estados Unidos e Israel (Foto: STEVEN SAPHORE/AFP via Getty Images)

A aprovação, no entanto, não garante que o Brasil terá acesso ao imunizante da Pfizer/BioNTech. É o primeiro imunizante que recebe esse tipo de autorização de uso no Brasil. Os imunizantes da Oxford/AstraZeneca e CoronaVac têm autorização emergencial.

Em nota, Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa, afirmou que foram necessários 17 dias de análise por parte da agência reguladora para aprovar de forma definitiva a vacina da Pfizer. É o primeiro registro amplo feito nas Américas.

Leia também

"Como Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, informo com grande satisfação que, após um período de análise de dezessete dias, a Gerência Geral de Medicamentos, da Segunda Diretoria, concedeu o primeiro registro de vacina contra a Covid 19, para uso amplo, nas Américas", diz a nota.

Segundo Barra Torres, o imunizante "teve sua segurança, qualidade e eficácia, aferidas e atestadas pela equipe técnica de servidores da Anvisa que prossegue no seu trabalho de proteger a saúde do cidadão brasileiro". O diretor-presidente da Anvisa ainda declarou que espera que outras vacinas possam receber o registro amplo.

Na última segunda-feira, 22, a empresa afirmou ao governo brasileiro que não aceita as exigências feitas pelo país para vender a vacina.

A empresa e o Ministério da Saúde não conseguiram solucionar o impasse em torno das cláusulas dos contratos para a comercialização do imunizante. A Pfizer não abriria mão de que o governo brasileiro se responsabilize por eventuais demandas judiciais decorrentes de eventuais efeitos adversos da vacina, desde que a Anvisa tenha concedido o registro ou autorizado o uso emergencial e temporário. Agora, a autorização é definitiva.

A vacina da Pfizer tem sido usada em diversos países, como Estados Unidos, Israel e Chile.