Mercado abrirá em 5 h 56 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,06
    +0,88 (+1,46%)
     
  • OURO

    1.746,50
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    64.576,45
    +3.868,66 (+6,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.395,43
    +101,44 (+7,84%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.890,49
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    28.856,12
    +358,87 (+1,26%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.968,25
    -7,50 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8422
    +0,0110 (+0,16%)
     

Anvisa dá aval para estudo clínico no Brasil de nova vacina contra Covid da GSK

NATÁLIA CANCIAN
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou nesta quinta-feira (8) a realização de um novo estudo clínico de uma candidata a vacina contra a Covid-19 no Brasil. O teste é patrocinado pela biofarmacêutica Medicago R&D Inc, que fica no Canadá, e pela farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK), que fica na Inglaterra. Esse é o quinto estudo autorizado no país nos últimos meses de um imunizante contra a doença -antes dele foram realizados testes de AstraZeneca/Universidade de Oxford, da Coronavac (da Sinovac com o Butantan), da Pfizer e da Janssen, todas com aval para uso emergencial ou registro definitivo para uso no Brasil. Ao todo, cerca de 30 mil voluntários em diferentes países devem participar dos testes clínicos da candidata à vacina. Os testes serão divididos em três etapas e estão previstos para ocorrer no Canadá e nos Estados Unidos, além da América Latina, do Reino Unido e da Europa. No Brasil, os estudos devem incluir até 3.500 pessoas acima de 18 anos. O país participará das fases 2/3 de testes clínicos, quando são avaliadas a segurança e eficácia da vacina. As fases 1 e 2 do estudo ocorrem atualmente no Canadá e nos Estados Unidos. O ensaio é randomizado, cego e controlado por placebo (modelo considerado "padrão-ouro" para estudos, porque divide os pacientes de forma aleatória em grupos, sem que cientistas ou voluntários saibam se receberam vacina ou placebo, para reduzir o viés de avaliação). Segundo a agência, a vacina candidata usa uma tecnologia de partícula semelhante ao coronavírus. "Ela é composta da proteína S expressa em forma de partículas parecidas com vírus, coadministradas com um adjuvante [que será desenvolvido pela GSK], em duas doses com intervalo de 21 dias", informa. Em nota, a Anvisa disse que, para autorizar o estudo, avaliou dados de etapas anteriores do desenvolvimento, "incluindo estudos não clínicos in vitro e em animais, bem como dados preliminares de estudos clínicos em andamento". "Os resultados obtidos até o momento demonstraram um perfil de segurança aceitável das vacinas candidatas", informa.