Mercado fechado
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,43
    -0,13 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.809,10
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    38.606,39
    -884,51 (-2,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    928,35
    -15,09 (-1,60%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    15.039,25
    -7,00 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1744
    +0,0303 (+0,49%)
     

Anvisa autoriza importação excepcional da Sputnik V em 13 estados do Brasil

·1 minuto de leitura

No último capítulo da saga protagonizada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e pela vacina contra COVID-19 Sputnik, a agência negou o pedido de exportação da vacina para o Brasil, mas alegou que ainda há espaço para a aprovação. Mas na terça (15), a Anvisa aprovou a importação excepcional da Sputnik V para mais sete estados brasileiros: Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Rondônia, Pará, Amapá, Paraíba e Goiás.

Ao todo, 13 passam a ter permissão de importar a vacina. Acontece que no início do mês, a permissão de importação excepcional chegou à Bahia, Maranhão, Sergipe, Ceará, Pernambuco e Piauí. A autorização contemplou a importação de 928 mil doses.

Agora, mais 592 mil doses poderão ser importadas. Essa nova distribuição acontece assim: Rio Grande do Norte: 71 mil; Mato Grosso: 71 mil; Rondônia: 36 mil; Pará: 174 mil; Amapá: 17 mil; Paraíba: 81 mil; Goiás: 142 mil.

(Imagem: Garakta-Studio/envato)
(Imagem: Garakta-Studio/envato)

A vacina deverá ser utilizada apenas em adultos saudáveis e todos os lotes importados só poderão ser usados após liberação pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde da Fiocruz. A Anvisa receberá relatórios periódicos de avaliação de risco-benefício do imunizante, além de tudo, e ainda cabe ressaltar que vacina a deverá ser utilizada em condições controladas, com condução de estudo de efetividade, com delineamento acordado com as normas da Anvisa, executado "conforme boas práticas clínicas".

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos