Mercado abrirá em 6 h 29 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,72
    -0,10 (-0,16%)
     
  • OURO

    1.828,40
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    49.019,68
    -1.849,02 (-3,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.351,52
    -36,38 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    6.963,33
    -41,30 (-0,59%)
     
  • HANG SENG

    27.978,02
    +259,35 (+0,94%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.174,50
    +74,25 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4143
    +0,0018 (+0,03%)
     

Anvisa autoriza Fiocruz a produzir matéria-prima nacional para vacina Covishield

Fidel Forato
·2 minuto de leitura

Na sexta-feira (30), a Agência Nacional de Vigilância Nacional (Anvisa) autorizou que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) produza, nacionalmente, a matéria-prima da vacina Covishield (Oxford/AstraZeneca) contra o coronavírus SARS-CoV-2. Esta liberação garantirá autonomia para que o Brasil produza mais doses da vacina contra a COVID-19, sem depender de importações, no futuro.

No momento, foi liberada "a produção do insumo farmacêutico ativo (IFA) da vacina contra COVID-19 dentro do escopo de transferência de tecnologia da AstraZeneca para o Instituto Bio-Manguinhos", explica a Anvisa, em nota. Dessa forma, "a Fiocruz está autorizada a iniciar a produção de lotes-piloto, em escala comercial, da vacina Covid-19 (recombinante) com o IFA produzido no Brasil".

Fiocruz deve começar a produção de matéria-prima para a produção de vacina 100% nacional (Imagem: Reprodução/Alexstand/Envato Elements)
Fiocruz deve começar a produção de matéria-prima para a produção de vacina 100% nacional (Imagem: Reprodução/Alexstand/Envato Elements)

O primeiro lote de doses da vacina Covishield, produzido 100% no país, será destinada ao Sistema Único de Saúde (SUS), mas ainda passará por testes de qualidade antes de ser aplicado nos brasileiros. "Após a realização dos testes, a Fiocruz deve solicitar a inclusão do insumo no registro ou fazer um pedido de autorização de uso emergencial", esclarece a Anvisa. Em outras palavras, será preciso seguir algumas burocracias até que a fundação obtenha total independência das importações de IFA.

Antes de aprovar a produção do IFA nacionalmente pela Fiocruz, a Anvisa verificou as Boas Práticas de Fabricação da linha de produção e entendeu que Bio-Manguinhos — local onde as doses do imunizante contra a COVID-19 serão produzidos — cumpre os requisitos das condições técnico-operacionais (CTO) para iniciar a produção de lotes.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Na sexta-feira, também, a Fiocruz entregou, no total, 26,5 milhões de doses da vacina Covishield contra a COVID-19 para o Programa Nacional de Imunizações (PNI). Desse número, 19,7 milhões de doses foram entregues durante o mês abril, o que superou a previsão inicial (18,8 milhões de doses) da própria fundação. Apenas 4 milhões de doses foram importadas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: