Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.323,58
    -176,05 (-0,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Anvisa aprova uso emergencial de primeiras vacinas contra a covid-19

·2 min de leitura
(Arquivo) O governador de São Paulo, João Doria, exibe a embalagem da CoronaVac

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou neste domingo (17) o uso emergencial da vacina chinesa CoronaVac e da britânica da AstraZeneca/Oxgord contra a covid-19, primeiras a obter este registro no país.

Os cinco diretores da Anvisa se pronunciaram a favor de autorizar as vacinas, abrindo a porta para que o Brasil inicie sua campanha de vacinação com a CoronaVac, produzida pela empresa chinesa Sinovac em associação com o Instituto Butantan, de São Paulo, a única das duas vacinas que já está disponível em território nacional.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, convocou uma coletiva de imprensa ao final da reunião da Anvisa para anunciar detalhes sobre o plano de imunização, cujo início ainda não foi definido.

No início do mês, o Brasil divulgou que a vacina chinesa demonstrou ser 50% eficaz em evitar a contração do vírus e 78% contra os sintomas.

Quanto ao imunizante de Oxford, os resultados publicados em dezembro revelaram que ela era 62% eficaz para voluntários que receberam duas doses completas e 90% para aqueles que receberam meia dose seguida de uma dose completa.

A aprovação ocorre em meio a um ressurgimento da doença, com saldos diários de mais de 1.000 mortes no país e uma situação dramática em Manaus, capital do Amazonas, com relatos de mortes de pessoas por falta de oxigênio em hospitais lotados.

Também tem como plano de fundo um cabo-de-guerra entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, que disputam a liderança no início da campanha de vacinação neste país de 212 milhões de habitantes.

Doria saudou a decisão da Anvisa e anunciou que entregará imediatamente as 6 milhões de doses do CoronaVac incluídas no pedido de autorização ao Ministério da Saúde para distribuição em todos os estados brasileiros.

No entanto, alguns veículos de imprensa apontaram que o governador pretende ordenar a administração da primeira dose de todo o Brasil neste domingo, em São Paulo.

mel/lda/aa/ap/ic