Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,70
    -1,27 (-1,76%)
     
  • OURO

    1.766,00
    +14,60 (+0,83%)
     
  • BTC-USD

    43.333,81
    -4.251,83 (-8,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.076,57
    -57,81 (-5,10%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.995,25
    -330,75 (-2,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2475
    +0,0481 (+0,78%)
     

Anvisa aprova quinto remédio para tratamento de COVID-19

·3 minuto de leitura

Nesta quarta-feira (8), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu autorização de uso emergencial para um novo medicamento contra o coronavírus SARS-CoV-2, o Sotrovimabe. O novo anticorpo monoclonal é a quinta medicação autorizada no Brasil para tratamento da COVID-19, sendo a quarta com licença para uso emergencial. A fórmula foi desenvolvida pela farmacêutica britânica GlaxoSmithKline (GSK).

Segundo nota divulgada pela Anvisa, "o Sotrovimabe é um anticorpo monoclonal feito em laboratório que imita a capacidade do sistema imunológico de combater o vírus. Ele atua contra a proteína spike do Sars-CoV-2 e é projetado para bloquear a ligação do vírus e a sua entrada nas células humanas". Além disso, o medicamento mantém eficácia contra variantes resistentes do vírus da COVID-19, de acordo com estudos feitos in vitro (laboratório).

Com a autorização de novo anticorpo monoclonal pela Anvisa, Brasil chega a ter 5 remédios aprovados para uso contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/iLexx/Envato Elements)
Com a autorização de novo anticorpo monoclonal pela Anvisa, Brasil chega a ter 5 remédios aprovados para uso contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/iLexx/Envato Elements)

O pedido de autorização de uso foi apresentado, em julho, pela empresa GlaxoSmithKline (GSK) Brasil. Após análise dos dados enviados pela Gerência-Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos (GGMED), pela Gerência-Geral de Inspeção e Fiscalização Sanitária (GGFIS) e pela Gerência-Geral de Monitoramento de Produtos Sujeitos à Vigilância Sanitária (GGMON), a licença foi concedida.

“Apesar dos esforços para ampliar a vacinação [contra COVID-19], ainda precisamos disponibilizar mais medicamentos capazes de evitar que os pacientes infectados desenvolvam complicações”, afirmou a diretora da Anvisa e relatora do processo, Meiruze Freitas.

Com essa autorização, foram ampliadas "as opções terapêuticas, em especial aquelas capazes de atuar contra as variantes do novo coronavírus que circulam no Brasil", destacou. Inclusive, Freitas espera que "o uso desse medicamento reduza a necessidade de hospitalização em pacientes com COVID-19 leve a moderada”. Vale reforçar que a fórmula não previne a doença.

Quando o Sotrovimabe é indicado contra a COVID-19?

O novo anticorpo monoclonal é indicado apenas para o tratamento de casos leves ou moderados da COVID-19 em pacientes adultos e adolescentes a partir dos 12 anos — desde que pesem pelo menos 40 kg — e que estão em risco de progressão para o estágio grave da doença. Isso significa que a fórmula pode ser usada por pessoas com comorbidades, por exemplo.

É importante esclarecer que "o Sotrovimabe não está indicado para uso em pacientes hospitalizados, que necessitem de oxigenoterapia ou que precisem de aumento na taxa de fluxo de oxigênio basal". Segundo a liberação da Anvisa, o uso do medicamento é restrito a hospitais e ele não pode ser vendido em farmácias e drogarias. Além disso, a recomendação do tratamento é de uma dose única de 500 mg, administrada por infusão intravenosa.

Fora do Brasil, a agência reguladora norte-americana Food and Drug Administration (FDA) e a agência canadense Health Canada já autorizaram o uso emergencial do medicamento contra a COVID-19. Já a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) emitiu parecer científico apoiando o uso do anticorpo monoclonal como uma opção de tratamento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos