Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,20
    -0,46 (-0,56%)
     
  • OURO

    1.798,10
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    58.589,07
    -1.836,89 (-3,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.406,02
    -68,31 (-4,63%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.620,00
    +32,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4229
    -0,0018 (-0,03%)
     

Anvisa investiga morte de adolescente após vacinação com Pfizer, mas mantém uso do imunizante

·3 minuto de leitura

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) afirmou nesta quinta-feira que não há evidências que sustentem mudanças nas recomendações previstas para uso da vacina da Pfizer em adolescentes

De acordo com a agência, os dados disponíveis sobre a morte de uma adolescente de 16 anos após uso do imunizante não são suficientes para estabelecer que a vacina tenha causado o óbito. 

Leia também

Mais cedo o Ministério da Saúde revogou a recomendação de vacinação de adolescentes sem comorbidades argumentando que a medida seria motivada por cautela devido à falta de "evidências robustas" sobre o tema e por conta da ocorrência de eventos adversos supostamente relacionados à imunização desse grupo.

"No momento, não há uma relação causal definida entre este caso e a administração da vacina. Os dados recebidos ainda são preliminares e necessitam de aprofundamento para confirmar ou descartar a relação causal com a vacina", diz a agência, acrescentando:

"A Anvisa já iniciou avaliação e a comunicação com outras autoridades públicas e adotará todas as ações necessárias para a rápida conclusão da investigação. Entretanto, com os dados disponíveis até o momento, não existem evidências que subsidiem ou demandem alterações nas condições aprovadas para a vacina."

ENTENDA O CASO
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga
, anunciou nesta quinta-feira que os adolescentes sem comorbidades não deverão completar a imunização contra a Covid-19. Mesmo aqueles que já receberam a primeira dose terão a vacinação suspensa.

Aqueles sem comorbidades, independentemente da vacina que tomaram, não tomem outra, por uma questão de cautela. Os com comorbidades podem completar o esquema vacinal”, declarou.

Leia também

O anúncio veio junto com a decisão do Ministério da Saúde de restringir a vacinação de jovens de 12 a 17 apenas àqueles que apresentam comorbidades.

Queiroga justificou o recuo afirmando que a imunização de adolescentes no país foi realizada de forma “intempestiva” e sem a segurança necessária.

Isso porque alguns lugares teriam distribuído vacinas não autorizadas para esta faixa etária, uma vez que, de acordo com a Anvisa, apenas a Pfizer é própria para aplicação em adolescentes.

Outra justificativa dada por Queiroga é uma suposta falta de evidências científicas suficientes que embasem a vacinação para estes jovens.

Segundo Queiroga, até o momento, 3,5 milhões de adolescentes já foram vacinados no Brasil. O ministro destacou que 1,5 mil deles, ou 0,042%, apresentaram eventos adversos após a aplicação da dose.

"Não é um número grande, mas temos que ficar atentos", avaliou.

Ministério recomendou vacinação apenas para adolescentes com comorbidades

Na noite da última quarta-feira (15), o Ministério de Saúde divulgou uma nota recomendado a suspensão da vacinação de jovens entre 12 e 17 anos sem comorbidades contra a covid-19. Segundo a pasta, houve uma “recomendação para a imunização” deste grupo, feita pela Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 – mesmo com a aprovação pela Anvisa do uso da Pfizer para esta faixa etária.

Segundo a pasta, devem continuar a ser imunizados jovens entre 12 e 17 anos com comorbidades, com deficiência permanente ou jovens provados de liberdade.

A nota lista seis motivos para a revisão dessa vacinação. Veja abaixo os motivos litados pelo Ministério da Saúde:

  • A Organização Mundial de Saúde não recomenda a imunização de criança e adolescente, com ou sem comorbidades;

  • A maioria dos adolescentes sem comorbidades acometidos pela COVID-19 apresentam evolução benigna, apresentando-se assintomáticos ou oligossintomáticos;

  • Somente um imunizante foi avaliado em ECR;

  • Os benefícios da vacinação em adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos;

  • Apesar dos eventos adversos graves decorrentes da vacinação serem raros, sobretudo a ocorrência de miocardite (16 casos a cada 1.000.000 de pessoas que recebem duas doses da vacina);

  • Redução na média móvel de casos e óbitos (queda de 60% no número de casos e queda de mais de 58% no número de óbitos por covid-19 nos últimos 60 dias) com melhora do cenário epidemiológico.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos