Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.427,58
    +21,95 (+0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Antonov An-225 Mriya destruído: agora qual é o maior avião do mundo?

Antonov An-225 Mriya destruído: agora qual é o maior avião do mundo?
Antonov An-225 Mriya destruído: agora qual é o maior avião do mundo?

Não se compara à perda de vidas humanas, ou ao desastre econômico da guerra, mas não deixa de ser notícia triste: no último domingo, o maior avião do mundo, o Antonov An-225 Mriya, foi destruído no hangar nas proximidades de Kiev.

Criado em 1988 como parte do programa espacial soviético, era o avião mais pesado a sair do chão e o maior cargueiro do mundo. Por esses critérios, peso e carga, o Mriya (“sonho” em ucraniano) superava de longe a concorrência.

Mas aviões sobreviventes podem ser considerados maiores que o falecido An-225 por outros critérios, como altura, comprimento, envergadura (largura medida nas asas). Veja como eles se comparam ao próprio.

O maior avião da história: Antonov An-225 Mriya

Antonov An-225
Imagem: Antonov Beltyukov/Wikimedia/CC

O An-225 Mriya (“sonho” em russo e ucraniano) foi criado para carregar a versão soviética do ônibus espacial, o Buran, que chegou a viajar ao espaço, mas sem passageiros. Com o fim da URSS, ficou abandonado por anos até ser posto para trabalhar de volta pelos ucranianos. O único exemplar completo acabou destruído num incêndio causado pelo combate – russos e ucranianos se acusam mutuamente. Um segundo exemplar, em construção, já havia sido destruído dias antes. A Ucrânia diz que vai reconstruir e os russos irão pagar.

Ficha técnica

Origem: URSS, 1988

Altura: 18,1 m

Envergadura: 88,4 m

Comprimento: 84 m

Motores: 6x D-18T turbofan, 229.5 kN

Velocidade Máxima: 850 km/h

Peso máximo ao decolar: 640.000 kg

5. Lockheed C-5 Galaxy

C-5 Galaxy Decolando | Imagem: Fasttailwind/Shutterstock
C-5 Galaxy Decolando | Imagem: Fasttailwind/Shutterstock

Criado na Guerra do Vietnã como um transporte ultrapesado a jato e intercontinental (tudo novidade na época), segue até hoje como o maior burro de carga das forças armadas dos Estados Unidos, usado em todas as guerras do país. Pode levar até 2 tanques M1A1 Abrams ou um tanque e dois veículos de combate de infantaria M2 Bradley. Leva normalmente 72 soldados, mas, em tese, numa guerra braba mesmo, poderia levar mais de 1000: era esse o projeto para uma versão civil dele. Outra versão é usada para abastecimento aéreo.

Ficha técnica

Lançamento: EUA, 1968

Altura: 19,84 m

Envergadura: 67,89 m

Comprimento: 75,31 m

Motores: 4x GE F138-100 turbofan, 230 kN

Velocidade Máxima: 856 km/h

Peso máximo ao decolar: 381.000 kg

4. Antonov An-124 Ruslan

An-124 usado pela estatal ucraniana Antonov Airlines | Imagem: Miglena Pencheva/Shutterstock
An-124 usado pela estatal ucraniana Antonov Airlines | Imagem: Miglena Pencheva/Shutterstock

O maior avião militar do mundo e também o maior cargueiro civil vem dos mesmos criadores do An-225 e tem várias semelhanças com ele (o 225 é uma versão crescida do 124). O projeto começou em 1970, para substituir os cargueiros turboélice An-22. A URSS tinha ficado em séria desvantagem em matéria de transportes após a criação do jato americano Lockheed C-5 galaxy em 1968, e o resultado foi um avião ainda mais descomunal. Foi produzido em série, diferente do An-225, com 55 exemplares criados, e é usado, além das forças armadas russas, por empresas civis da Rússia, Ucrânia e Emirados Árabes. Até 2014, Rússia e Ucrânia planejavam retomar sua produção em conjunto, mas o acordo naufragou junto com as relações entre os dois países.

Ficha Técnica

Lançamento: URSS, 1982

Altura: 21,08 m

Envergadura: 73,3 m

Comprimento: 69,1 m

Motores: 6x D-18T, 228 kN

Velocidade Máxima: 865 km/h

Peso máximo ao decolar: 402.000 kg

4. Boeing 747-800

747-800 flagrado em Chicago em 2018 | Imagem: Carlos Yudica/Shutterstock
747-800 flagrado em Chicago em 2018 | Imagem: Carlos Yudica/Shutterstock

Criado para competir com o Airbus A380, o maior 747 de todos os tempos foi lançado em 2011, com capacidade para 467 passageiros. Como o A380, que saiu de linha ano passado, era um projeto para uma época mais feliz em termos de economia, para voos com uma quantidade massiva de passageiros. A demanda baixa significa que está com seus dias contados. Mas terá um fim um pouco mais glamuroso: o próximo AirForce One, o avião presidencial americano, ainda em produção, será um 747-800.

Ficha Técnica

Lançamento: EUA, 2011

Altura: 19,4 m

Envergadura: 68,4 m

Comprimento: 76,3 m

Motores: 4 x GE GEnx-2B67, 296 kN

Velocidade Máxima: 956 km/h

Peso máximo ao decolar: 447.700 kg

2. Airbus A380

A-380 da Emirates fotografado em 2013 | Imagem: Maarten Visser/CC-BY-SA 2.0
A-380 da Emirates fotografado em 2013 | Imagem: Maarten Visser/CC-BY-SA 2.0

O gentil gigante da Airbus é que acontece se você pega um 747 e, no lugar dos dois andares só na frente, cria dois andares no avião inteiro. Termina com um veículo capaz de levar 853 pessoas (se for tudo em classe econômica; na prática, 575 era uma configuração mais comum). Foi o maior avião produzido em série na história humana e a Airbus certamente queria ainda estar produzindo eles. Mas a crise econômica iniciada em 2008, um ano após estrear, acabou com o céu de brigadeiro para viagens intercontinentais. Com os pedidos secando, os últimos deles saíram da fábrica ano passado, e empresas aéreas estão aposentando os que compraram antes, por seu alto custo de manutenção e prejuízo ao voar com menos que a capacidade máxima. Se você tiver a chance de passear no maior avião de passageiros da história humana, aproveite: é uma experiência em extinção.

Ficha técnica

Lançamento: União Europeia, 2007

Altura: 24,09 m

Envergadura: 79,75 m

Comprimento: 72,72 m

Motores: 4 × Trent 970-84/970B-84 turbofan, 348 kN

Velocidade Máxima: 1.176 km/h

Peso máximo ao decolar: 575.000 kg

1. Scaled Composites Stratolaunch

Scaled Composites Stratolaunch voando
Scaled Composites Stratolaunch voando | Imagem: Stratolaunch/Divulgação

O novo campeão entre os maiores aviões do mundo é um caso bem esquisito. São dois 747-400 emendados num asa central, criando o avião mais largo de todos os tempos, e, em matéria de peso, o segundo maior após o Mryia. A ideia, uma parceira entre o co-fundador da Microsoft Paul Allen e o criador da empresa espacial Scaled Composites, Burt Rutan, era carregar um foguete entre as asas, levá-lo à estratosfera (entre 10 km a 60 km de altitude) e, aproveitando o ar mais rarefeito, lançá-lo de forma mais econômica que do solo. Com a morte de Paul Allen, o principal investidor, em 2019, a empresa acabou comprada por um fundo especializado em empresas em crise. Realizando seu quarto voo no fim de fevereiro de 2022, não está aposentado, mas deve continuar como avião experimental, sem nunca cumprir sua missão original.

Ficha técnica

Lançamento: União Europeia, 2007

Altura: 15 m

Envergadura: 117 m

Comprimento: 73 m

Motores: 6 × Pratt & Whitney PW4056 turbofan, 252.4 kN

Velocidade Máxima: 850 km/h

Peso máximo ao decolar: 589.670 kg

Bônus: LZ-129 Hindenburg

Não é um avião, um veículo mais pesado que o ar: se a gente fosse medir seu peso ao decolar, o resultado é um número negativo. Mesmo sem contar a sustentação, também é bem mais leve que qualquer superavião nesta lista. Mas, em dimensões, é a maior coisa que a humanidade botou no ar. O zepelim da Alemanha Nazista foi uma sensação mundial, viajando inclusive para o Brasil, no período do pré-guerra, em que o país já ainda relações diplomáticas normais com o resto do mundo.

Famosamente, foi destruído num acidente nos Estados Unidos, em 6 de maio de 1937, no qual um incêndio fulminante atingiu o dirigível enquanto tentava atracar em Lakehurst, Nova Jersei, e o levou ao chão em menos de 30 segundos. É um dos desastres mais impressionantes já pegos em câmera e, por incrível que pareça, a maioria sobreviveu: o desastre levou 35 de seus 97 ocupantes, entre passageiros e tripulação.

A razão por usar hidrogênio, altamente inflamável, e não hélio, para flutuar, não é porque os alemães não sabiam do perigo: eles até queriam usar, mas hélio era e ainda é praticamente um monopólio dos Estados Unidos, e o país havia banido as exportações para usar em seus próprios dirigíveis.

Ficha técnica

Origem: Alemanha, 1936

Altura: 41,5 m

Envergadura: 41,5 m

Comprimento: 245 m

Motores: 4x Daimler-Benz DB 602, 890 kW (~13,2 kN)

Velocidade Máxima: 135 km/h

Peso carregado (sem hidrogênio): 206.350 kg

Leia mais:

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!