Mercado abrirá em 16 mins
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,63
    +0,72 (+1,02%)
     
  • OURO

    1.852,50
    -27,10 (-1,44%)
     
  • BTC-USD

    39.425,41
    +3.495,18 (+9,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    981,10
    +39,29 (+4,17%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.145,45
    +11,39 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.027,25
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1830
    -0,0096 (-0,16%)
     

Antigo cemitério de negros escravizados, Largo de Santa Rita passará por obras de urbanização a partir desta segunda

·1 minuto de leitura

RIO — Na próxima segunda-feira, dia 17, às 19h30, o VLT Carioca dará início às obras de urbanização em referência à memória afro-brasileira do Largo de Santa Rita, no Centro do Rio. A região ficou marcada durante as obras da Linha 3 do VLT, quando foram encontrados vestígios de um antigo cemitério de negros escravizados. Apesar de alterações definitivas no tráfego e no estacionamento, a circulação do VLT não será alterada. A previsão é que as obras sejam finalizadas até o mês de outubro.

O acesso dos veículos que vão da Rua Mayrink Veiga para o largo e para a Rua Visconde de Inhaúma será fechado definitivamente. O único acesso será pela Rua Alcântara Machado, sem saída. A Mayrink Veiga também passará a ter restrição de estacionamento, com acesso limitado para carga e descarga.

Marcações no piso e totens com informações históricas do local fazem parte do projeto. Ao longo do trecho, paradas do VLT já são batizadas com nomes que remetem à História africana, como Cristiano Ottoni-Pequena África, Camerino-Rosas Negras e Santa Rita-Pretos Novos.

As ações são fruto de um grupo de trabalho montado durante o período de implantação, que contou com representantes do movimento negro e da sociedade civil, do Iphan — Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional — do IRPH — Instituto Rio Patrimônio da Humanidade — da Cdurp — Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto — do Ministério Público e do VLT Carioca.