Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.750,60
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    43.477,07
    +827,27 (+1,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,84 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +0,25 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2560
    +0,0310 (+0,50%)
     

Antidepressivo mostra potencial contra COVID-19 em novo estudo

·1 minuto de leitura

Além das vacinas, pesquisadores também têm se concentrado em descobrir remédios que tenham potencial para conter a COVID-19. E um novo estudo pode ter descoberto um aliado em potencial nessa luta: um antidepressivo chamado fluvoxamina.

O remédio costuma ser indicado não só no tratamento da depressão, como também TOC (transtorno obsessivo compulsivo) e transtornos de ansiedade. Ele aumenta a quantidade da serotonina (um neurotransmissor) no cérebro e no corpo.

O estudo em questão avaliou o uso da substância em pacientes que testaram positivo para COVID-19. Para isso, os pesquisadores dividiram os participantes em dois grupos: 739 receberam a fluvoxamina e 733 tomaram um placebo. A pesquisa conclui que os pacientes que receberam o medicamento tiveram 31% menos probabilidade de hospitalização, além de ter menor risco de precisar de ventilação mecânica.

(Imagem: HalGatewood/Unsplash)
(Imagem: HalGatewood/Unsplash)

No entanto, é preciso fazer uma ressalva: o estudo ainda não foi publicado e tem limitações, uma vez que os pesquisadores consideram como hospitalização tanto os pacientes que foram internados quanto os que passaram mais de seis horas em observação no hospital, por exemplo. Outra limitação é que o pre-print não esclarece como um medicamento que age no cérebro seria capaz de combater inflamações no corpo todo e reduzir sintomas provocados por um vírus.

Mas as limitações apontadas não significam que o estudo não seja válido, e a pesquisa serve para orientar outros estudos com a droga. O estudo completo pode ser acessado aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos