Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,49
    +0,73 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.805,30
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    20.398,75
    +354,79 (+1,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    436,92
    +5,45 (+1,26%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.215,84
    -177,20 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    11.511,75
    -17,75 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4973
    -0,0083 (-0,15%)
     

Anticorpos no cérebro podem ser a causa de esquizofrenia em alguns pacientes

Cientistas da Tokyo Medical and Dental University (TMDU) encontram anticorpos cerebrais que podem ser a causa de esquizofrenia em alguns pacientes. Eles afetam as células do próprio corpo, mais especificamente uma molécula envolvida na comunicação celular do cérebro. O achado foi feito ao injetar os autoanticorpos suspeitos em camundongos, que passaram a ter os sintomas da condição.

Segundo os cientistas envolvidos no estudo, mesmo após um curto período de tempo com os anticorpos agindo em seu corpo, as cobaias tiveram o comportamento mudado e apresentaram sinapses condizentes com as que vemos no cérebro de humanos com esquizofrenia. A pesquisa foi publicada na revista científica Cell Reports Medicine.

Anticorpos que atacam as próprias células do corpo parecem ter envolvimento em alguns casos de esquizofrenia (Imagem: iLexx/Envato Elements)
Anticorpos que atacam as próprias células do corpo parecem ter envolvimento em alguns casos de esquizofrenia (Imagem: iLexx/Envato Elements)

Autoanticorpos e a esquizofrenia

Em pesquisas anteriores, já se havia descoberto uma proteína envolvida no desenvolvimento de esquizofrenia, a molécula de adesão celular neuronal (NCAM1), tendo ela um papel integral na comunicação entre os neurônios do cérebro. Impedir o trabalho dessas moléculas resulta em sintomas esquizofrênicos.

Partindo disso, os cientistas examinaram 200 pacientes com esquizofrenia e 200 pacientes sem a condição (grupo de controle), procurando autoanticorpos que afetassem a NCAM1. Um número pequeno — mas não insignificante — de pacientes com a doença tinham esse anticorpo circulando em seus sistemas.

Camundongos de laboratório apresentaram sintomas de esquizofrenia ao receber anticorpos de pacientes com a condição (Imagem: Pressmaster/Envato)
Camundongos de laboratório apresentaram sintomas de esquizofrenia ao receber anticorpos de pacientes com a condição (Imagem: Pressmaster/Envato)

Especificamente, 12 pacientes apresentavam os autoanticorpos, levando à conclusão de que apenas uma parte dos esquizofrênicos deve sua condição (ao menos parcialmente) aos anticorpos. Para testar a hipótese dos anti-NCAM1 mais a fundo, os pesquisadores tomaram anticorpos dos pacientes e os injetaram em camundongos saudáveis.

Além dos sintomas aparecerem, as estruturas cerebrais responsáveis pela comunicação neuronal foram reduzidas nos bichos. Logo, conclui-se que os autoanticorpos têm, sim, algum papel em certos pacientes com esquizofrenia. Embora pareça um número pequeno, a doença é complexa e se apresenta de forma diferente para cada pessoa, com múltiplas causas: identificá-las ajuda a desenvolver tratamentos mais compreensivos, o que deve ser buscado pelos cientistas nas próximas pesquisas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos