Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.290,03
    +1.070,63 (+2,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Anticorpos monoclonais: conheça o remédio que a Alemanha vai usar contra COVID

Nathan Vieira
·3 minuto de leitura

Frente à COVID-19, a ciência precisou se desdobrar para entender o funcionamento da doença e, eventualmente, produzir vacinas que fossem eficazes em proteger a população. Além da vacina, outra maneira de se proteger da doença seria a medicação, questão que acabou se mostrando delicada com o decorrer da pandemia. No último domingo (24), o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, anunciou que o governo local comprou um remédio contra o coronavírus, feito à base de anticorpos.

"A partir da próxima semana a Alemanha será o primeiro país da UE onde serão usados anticorpos monoclonais. Inicialmente isso ocorrerá em clínicas universitárias. O governo alemão comprou 200 mil doses por 400 milhões de euros", anunciou Spahn durante entrevista ao jornal Bild am Sonntag. A ideia é que esses medicamentos sejam distribuídos gratuitamente para hospitais especializados.

O que são anticorpos monoclonais?

Anticorpos monoclonais: o remédio que a Alemanha vai usar contra COVID-19 (Imagem: HeungSoon/Pixabay)
Anticorpos monoclonais: o remédio que a Alemanha vai usar contra COVID-19 (Imagem: HeungSoon/Pixabay)

Basicamente, os anticorpos monoclonais são produzidos em laboratório com função de desativar o vírus após a infecção. Os anticorpos usados ​​são todos iguais (daí vem o nome "monoclonais") e atacam o vírus num determinado alvo. "De acordo com os estudos disponíveis, o medicamento pode ajudar a limitar a quantidade de vírus no corpo e, assim, ter uma influência positiva no curso da doença", disse uma porta-voz do ministério.

A ideia por trás do tratamento com anticorpos é ajudar pacientes adultos com sintomas leves ou moderados e com risco de agravamento da doença. "Eles funcionam como uma vacinação passiva. A administração desses anticorpos pode ajudar os pacientes de alto risco na fase inicial a prevenir formas graves da doença", contou Spahn, durante a entrevista ao jornal alemão. A administração da terapia acontecerá com base em uma avaliação individual de risco e benefício realizada pelo médico responsável pelo tratamento.

O Ministério da Saúde alemão garantiu contingentes do medicamento bamlanivimab, desenvolvido pela farmacêutica americana Eli Lilly e dos anticorpos casirivimab e imdevimab, da empresa americana Regeneron, que devem ser administrados simultaneamente. O Instituto Paul Ehrlich (PEI), órgão federal alemão encarregado de vacinas e medicamentos biomédicos, concluiu que é possível uma utilização na Alemanha após avaliação médica individual.

Vale lembrar que o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, foi tratado no início de outubro com o coquetel de anticorpos REGN-COV2, da Regeneron, cujo ingrediente ativo é uma combinação de dois anticorpos especialmente desenvolvidos que se ligam à chamada proteína espicular do coronavírus, a fim de deformar sua estrutura, impedindo que o patógeno ataque as células.

COVID-19 na Alemanha

Ministro da Saúde da Alemanha não vê relaxamento nas restrições até todo o país estar vacinado (Imagem: Fernando Zhiminaicela/Pixabay)
Ministro da Saúde da Alemanha não vê relaxamento nas restrições até todo o país estar vacinado (Imagem: Fernando Zhiminaicela/Pixabay)

Na última terça-feira (19), a Alemanha estendeu seu lockdown nacional até 14 de fevereiro, apesar de crescentes pedidos pela flexibilização de algumas medidas. Epidemiologistas do país afirmam que o debate sobre um relaxamento ainda é prematuro.

Segundo Spahn, as restrições para contenção do coronavírus vão continuar até que haja uma vacinação disponível para todos os cidadãos. "Nós nos solidarizamos em meio a esta pandemia durante um ano. Agora, podemos muito bem seguir as regras pelos meses restantes até que todos possam ser vacinados", disse o ministro durante a entrevista ao jornal alemão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: