Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.551,54
    -228,15 (-0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Antibiótico após sexo sem proteção reduz drasticamente DSTs, diz estudo

Tomar um antibiótico após ter relações sexuais sem proteção pode reduzir drasticamente o contágio de três doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) bacterianas em grupos de alto risco, revelou um estudo clínico, nesta quarta-feira (27).

A pesquisa foi apresentada na 24ª Conferência Internacional sobre Aids, em Montreal, onde foi celebrada como um importante avanço.

"Isso tem a capacidade de mudar os padrões" da prática clínica, disse à AFP Steven Deeks, especialista em HIV da Universidade da Califórnia, San Francisco (UCSF), que não participou do estudo.

A doxiciclina reduziu as taxas de gonorreia e clamídia em mais de 60% entre homens que fazem sexo com homens (HSH), e também pareceu muito eficaz contra a sífilis, mas não há casos suficientes para ser estatisticamente significativo.

O ensaio foi encerrado antes do tempo porque os pesquisadores descobriram que o fármaco funcionava indubitavelmente e não seria ético continuar com os testes.

O estudo foi realizado em um momento de aumento dos índices dessas doenças, em especial entre os HSH, que diminuíram o uso de preservativos desde a chegada dos comprimidos de profilaxia pré-exposição (PrEP) ao HIV.

Um ensaio anterior realizado por pesquisadores franceses que usou a doxiciclina como profilaxia pós-exposição (PEP) já havia mostrado sua eficácia contra a sífilis e a clamídia entre os HSH, mas não contra gonorreia.

Para o novo estudo, foram recrutadas 500 pessoas, em sua maioria HSH, mas também algumas mulheres trans e pessoas de diversos gêneros, em San Francisco e Seattle.

Algumas estavam tomando PrEP contra o HIV, enquanto outras eram portadoras do vírus. Em ambos os grupos, cerca de dois terços receberam doxiciclina e um terço, não. Elas tiveram seus resultados monitorados a cada três meses.

O comprimido de 200 miligramas era administrado dentro de três dias após a exposição. Os participantes podiam continuar tomando o remédio conforme necessário dependendo do contato sexual que tiveram.

A intervenção reduziu a incidência de doenças sexualmente transmissíveis em 62% no grupo que vivia com HIV e em 66% no grupo que tomava PrEP. Os efeitos secundários foram leves e os níveis de aderência se mantiveram altos.

"Agora temos dois estudos que respaldam o uso da doxiciclina como PrEP em homens que têm relações sexuais com homens", disse aos jornalistas durante a conferência a líder da pesquisa, Annie Luetkemeyer, da UCSF.

"Acredito realmente que estamos em um lugar em que devemos pensar muito sobre a implementação disso e como incorporá-lo nos padrões", acrescentou.

No entanto, enfatizou que no momento os dados apoiam o tratamento como uma intervenção direcionada aos grupos de maior risco, que têm uma alta prevalência de DSTs, não a todos.

Também são necessários mais estudos para compreender melhor os possíveis impactos sobre a resistência aos antibióticos, observaram os autores.

ia/sw/ll/yow/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos