Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -3,70 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.177,86
    -112,16 (-0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    +22,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    +0,0060 (+0,11%)
     

Antes impensável, paridade da libra com dólar vira possibilidade

(Bloomberg) -- A perspectiva de a libra atingir a paridade com o dólar se torna cada vez menos improvável.

A ameaça iminente de uma recessão, a dependência aguda do capital estrangeiro, a disparada nos custos da dívida e a crescente probabilidade de a independência do Banco da Inglaterra ser cerceada são más notícias para os ativos do Reino Unido e deixam os títulos e a moeda em uma posição cada vez mais precária.

Criticar o Reino Unido se tornou uma espécie de passatempo nacional, mas mesmo em uma análise imparcial dos dados, é difícil chegar a uma perspectiva otimista. Não há porque medir as palavras: a situação é terrível.

O Reino Unido enfrenta os mesmos desafios que outros países, mas eles são agravados por um conjunto único de problemas próprios. O crescimento deve se desacelerar muito mais nos próximos meses, com base na mensagem inequívoca do colapso dos principais indicadores, e não vai demorar muito para que a economia esteja flertando com uma recessão.

Os problemas do Reino Unido são exacerbados por um rombo crescente na conta corrente. O déficit de bens piora mais do que a melhora na conta de serviços. Além disso, a capacidade do Reino Unido de cobrar um prêmio sobre o que recebe de ativos no exterior contra o que paga em ativos mantidos no exterior evaporou. Culpe o Brexit ou não, mas os dados não mentem.

O déficit fiscal também é grande, e estrangeiros detém cerca de 25% dos títulos públicos. Além disso, o Reino Unido enfrenta um desafio semelhante a outros países europeus com custos de energia em disparada que provavelmente terão que ser subsidiados de alguma forma pelo Tesouro. O Reino Unido não tem exposição direta ao gás russo, mas continua exposto a efeitos indiretos devido à sua dependência energética de outros países em cerca de 35%.

Juntos, os déficits fiscal e de transações correntes chegam a 11,1% do PIB, exigindo um oceano de capital estrangeiro para manter as engrenagens girando.

A taxa de câmbio entre a libra esterlina e o dólar é a mais antiga do mundo, com 250 anos. A probabilidade implícita de ela atingir a mínima histórica de 1,05 até o final do ano é agora de 1 em 7. Mesmo a chance de quebrar o limiar da paridade, o que pareceria uma fantasia no início deste ano, agora parece uma aposta razoável, com uma probabilidade de 1 em 32. Fomos avisados.

  • NOTA: Simon White escreve para o blog Markets Live da Bloomberg. Suas observações não pretendem ser um conselho de investimento.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.