Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,48
    +0,35 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.771,20
    -9,00 (-0,51%)
     
  • BTC-USD

    56.035,17
    +90,68 (+0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.268,84
    -30,12 (-2,32%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.894,00
    -135,50 (-0,97%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6741
    -0,0120 (-0,18%)
     

Antes de ser internado com Covid, Major Olímpio participou de ato com aglomeração contra lockdown

João de Mari
·3 minuto de leitura
Na ocasião, a manifestação registrou aglomeração de pessoas e foi liderada pelo empresário Luciano Hang e a prefeita da cidade, Suéllen Rosin (Patriota), defensores dos ideias do presidente Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/Instagram)
Na ocasião, a manifestação registrou aglomeração de pessoas e foi liderada pelo empresário Luciano Hang e a prefeita da cidade, Suéllen Rosin (Patriota), defensores dos ideias do presidente Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/Instagram)
  • Líder do PSL no Senado, Major Olímpio participu de ato contra o fechamento do comércio duas semanas antes de ser internado com a Covid-19

  • Major Olímpio morreu em decorrência da doença nesta quinta, 18

  • Apesar de se posicionar a favor da vacinação em massa, em outubro de 2020, criticou Doria por querer que a vacina fosse obrigatória

O líder do PSL no Senado, Major Olímpio, ex-senador morto nesta quinta-feira em decorrência da Covid-19, participou de um ato contra o fechamento do comércio em Bauru, no interior de São Paulo, cerca de duas semanas antes de ser internado com a doença.

Na ocasião, a manifestação registrou aglomeração de pessoas e foi liderada pelo empresário Luciano Hang e a prefeita da cidade, Suéllen Rosin (Patriota), defensores dos ideias do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Leia também:

"Força para Bauru, força para o comércio, força pra o direito de trabalhar", disse Olímpio na ocasião. No mesmo ato, o senador também pediu impeachment do governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Durante a manifestação antes de ser internado, Olímpio chegou a publicar um vídeo nas redes sociais dizendo "chega de descaso com o povo!".

"Chega de aceitar os desmandos deste DESgovernador. Fui às ruas nesta sexta-feira (12) em apoio à população do nosso estado contra o fechamento do comércio e pela abertura de mais leitos na Saúde", escreveu na legenda do vídeo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O senador era opositor do governador Doria. Em 2021, chegou a organizar manifestações também contra o aumento do ICMS, proposto pelo tucano.

Posições contraditórias em relação à pandemia

Por este motivo, as posições do parlamentar em relação à pandemia eram consideradas ambíguas. Apesar de se posicionar a favor da vacinação em massa, em outubro de 2020, criticou Doria por querer que a vacina fosse obrigatória.

"O povo de São Paulo, estatisticamente, não quer essa vacina chinesa, e irá aguardar outras oportunidades. Portanto, não adianta Doria insistir pela obrigatoriedade dessa vacina. Nós, paulistas, e paulistanos, iremos tomar a vacina que nós decidirmos, que nós escolhermos. Não adianta ele vir com força política e fazer média num momento agudo como esse", afirmou Olímpio à época.

Onda bolsonarista

Major Olímpio era um representante da PM e surfou na onda do presidente Jair Bolsonaro. Policial Militar, Olímpio entrou na política em 2006, ao se filiar ao PP. Ao longo do tempo, passou por diversas legendas, como PV, PDT, PMB, Solidariedade, até chegar ao PSL, em 2018, na onda bolsonarista. Entre 2007 e 2015, o militar ocupou o cargo de deputado estadual por São Paulo. Em 2015, assumiu o posto de deputado federal e, em 2018, foi eleito senador.