Mercado abrirá em 4 h 49 min
  • BOVESPA

    129.259,49
    -831,51 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.579,10
    -329,10 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,84
    -0,31 (-0,43%)
     
  • OURO

    1.810,70
    -50,70 (-2,72%)
     
  • BTC-USD

    39.151,16
    -1.074,28 (-2,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    972,51
    -19,96 (-2,01%)
     
  • S&P500

    4.223,70
    -22,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.033,67
    -265,63 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.164,11
    -20,84 (-0,29%)
     
  • HANG SENG

    28.499,20
    +62,36 (+0,22%)
     
  • NIKKEI

    29.018,33
    -272,68 (-0,93%)
     
  • NASDAQ

    13.903,00
    -78,25 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0691
    +0,0071 (+0,12%)
     

Antes das patentes das vacinas anticovid, urgência envolve as matérias-primas

·3 minuto de leitura
O laboratório alemão Curevac afirau que não consegue obter determinados materiais produzidos nos Estados Unidos

O apoio dos Estados Unidos à suspensão das patentes das vacinas anticovid ofuscou outro anúncio importante: Washington prometeu fornecer matérias-primas suficientes para fabricá-las, diante da ameaça de escassez.

O governo dos Estados Unidos "também trabalhará para aumentar as matérias-primas necessárias para produzir estas vacinas", anunciou a representante comercial do país, Katherine Tai, na quarta-feira.

A promessa estava no fim do comunicado que revelava o apoio de Washington à suspensão das patentes das vacinas, no momento em que os países pobres enfrentam uma drástica escassez de doses.

Enquanto prolongados debates jurídicos e econômicos sobre o tema devem acontecer, sobretudo na Organização Mundial do Comércio (OMC), a complicada busca por parte de alguns laboratórios de todos os componentes das vacinas continua sendo a questão mais importante.

Dois deles alertaram para a questão e apontaram Washington como responsável.

O alemão Curevac afirmou que não consegue obter determinados materiais produzidos nos Estados Unidos. Poucos dias antes, o indiano Serum Institute, maior fabricante de vacinas do mundo, fez um apelo ao presidente americano Joe Biden.

"Eu peço humildemente que suspenda o embargo às exportações de matérias-primas para fora dos Estados Unidos, para que a produção de vacinas possa aumentar", afirmou o diretor do instituto Adar Poonawalla.

Os dois laboratórios apontam uma lei, a Defense Production Act, que normalmente diz respeito aos esforços bélicos mas que foi invocada pelo ex-presidente Donald Trump e depois por Joe Biden para enfrentar a pandemia.

Não proíbe explicitamente as exportações, mas dá prioridade ao governo para determinados produtos fabricados em território americano.

"Há tantas (vacinas) produzidas no mundo que os fornecedores não conseguem acompanhar o ritmo", justificou no fim de abril um funcionário do governo americano, que não foi identificado, em uma transcrição de uma sessão de informações da Casa Branca.

- Aumento da tensão na cadeia de abastecimento -

Há mais de dois meses, vários organismos públicos e empresas privadas constatam que a situação é cada vez mais difícil para reunir todos os componentes necessários para produzir uma vacina

São necessários pelo menos 50 - e às vezes até 100 - componentes. Entre eles figura, por exemplo, o vidro para os frascos, ou um plástico de qualidade especial para conservar a vacina em sacos e para que não estrague.

E a isso se somam, sobretudo, os ingredientes do próprio soro. Um deles é o que preocupa o laboratório Curevac: os nucleotídeos. Estas moléculas são usadas para sintetizar o princípio ativo da vacina com base na tecnologia inovadora de RNA mensageiro.

A escassez não é surpreendente: a luta contra a covid elevou a produção de vacinas a uma nova dimensão.

A indústria farmacêutica espera produzir este ano o dobro do normal, quase 10 bilhões de doses, número que não inclui apenas as vacinas contra a covid.

Neste contexto "observamos nas últimas semanas e meses um aumento das tensões na cadeia de abastecimento", declarou em março Richard Hatchett, diretor da Coalition for Epidemic Preparedness Innovations (Cepi).

Ele fez a declaração em uma reunião com os dois principais envolvidos na questão, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Federação Mundial da Indústria Farmacêutica.

Antes da reunião já havia consenso sobre a necessidade de promover a livre circulação de mercadorias, pois a produção de ingredientes e materiais para vacinas está fragmentada em muitos países.

Os dados da OCDE de 2018 mostram o cenário de maneira clara: na época a China dominava a exportação de frascos, os Estados Unidos a de seringas, enquanto a França liderava em certos estabilizadores como o sorbitol e Holanda era especializada em gelo seco, utilizado para refrigerar a vacina.

Isto sem falar nos conservantes, que a Alemanha, por exemplo, exporta em grande quantidade, ou dos adjuvantes, exportados por México e China, de acordo com os mesmos dados.

jdy/meb/jz/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos