Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,12
    -0,24 (-0,46%)
     
  • OURO

    1.816,30
    -13,60 (-0,74%)
     
  • BTC-USD

    35.897,79
    -57,27 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,03
    -34,11 (-4,64%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.277,04
    -242,14 (-0,85%)
     
  • NASDAQ

    12.751,00
    -51,25 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3851
    -0,0075 (-0,12%)
     

Ant quer reestruturar unidade de crédito para manter empréstimos

Bloomberg News
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Ant Group, de Jack Ma, planeja reestruturar as operações de crédito ao consumidor para que a empresa possa continuar emprestando na China sob novas regulamentações que, de outra forma, ameaçariam restringir drasticamente seus negócios mais lucrativos, disseram pessoas a par do assunto.

O plano, que é preliminar e está sujeito à aprovação regulatória, faz parte da ampla reorganização da estrutura corporativa da Ant após o governo de Pequim ter suspendido a oferta pública inicial de US$ 35 bilhões da fintech em novembro.

A Ant quer transferir gradualmente suas principais operações de crédito ao consumidor - que tinham 1,7 trilhão de yuans (US$ 263 bilhões) em empréstimos em aberto em junho - para uma nova unidade de financiamento com direito de operar em todo o país, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas.

A maioria dos empréstimos ao consumidor da Ant atualmente se encaixa em duas unidades de microcrédito da empresa, conhecidas como Huabei (que significa apenas gaste) e Jiebei (apenas empreste). Segundo o projeto de regulamentação anunciado em novembro, Huabei e Jiebei seriam obrigadas a limitar suas operações ao município de Chongqing, no sudoeste da China, a menos que obtivessem novas licenças nacionais, um processo potencialmente demorado. Migrá-las para a unidade de financiamento ao consumidor permitiria, em teoria, que a Ant continuasse emprestando em todo o país sem ter que esperar por novas licenças.

Devido ao ritmo de regulamentação na China, a Ant ainda tem pouca clareza sobre até que ponto seu forte ritmo de crescimento de empréstimos nos últimos anos será freado pelas autoridades. A empresa, que é parcialmente controlada pelo Alibaba, quase certamente enfrentará requisitos de capital mais elevados, independentemente do futuro modelo de sua unidade de crédito ao consumidor.

Representantes da Ant não quiseram comentar. A Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

A Bloomberg informou no mês passado que a Ant planeja transferir suas operações financeiras - incluindo as unidades de crédito ao consumidor - para uma holding que poderia ser regulamentada mais como um banco. A holding também incluiria seguros, pagamentos e o MYbank, um banco online do qual a Ant é a maior acionista.

Ma, que cofundou a Ant e o Alibaba, viu seu patrimônio líquido cair quase US$ 11 bilhões desde o final de outubro, enquanto a China intensificava o controle sobre seu império juntamente com outras gigantes de tecnologia do país. O ex-professor de inglês, de 56 anos - frequentemente associado à expansão meteórica do setor de Internet na China -, não é visto em público desde novembro.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.