Mercado abrirá em 8 h 23 min
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,45
    -0,68 (-1,28%)
     
  • OURO

    1.861,60
    -4,30 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    30.688,97
    +874,93 (+2,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    607,48
    -72,43 (-10,65%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.501,78
    -425,98 (-1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.646,99
    -109,87 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.350,50
    -45,00 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5140
    +0,0056 (+0,09%)
     

ANP vê aporte de R$5 bi em novos poços de exploração de petróleo no Brasil em 2021

·1 minuto de leitura
Plataforma da Petrobras na bacia de Santos; grandes petroleiras arremataram diversas áreas para exploração no Brasil nos últimos anos

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Petroleiras deverão investir 5,24 bilhões de reais no Brasil em 2021 para perfuração de 38 novos poços exploratórios de óleo e gás, mais que o dobro do número de perfurações iniciadas no ano passado, apontou a agência reguladora ANP nesta terça-feira, em um sinal de aquecimento das atividades exploratórias.

Do montante previsto, 5,08 bilhões de reais deverão ser aportados em 18 perfurações em ativos marítimos, enquanto o restante será destinado a atividades em terra, informou a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, com base em informações declaradas por operadores em contratos.

Em 2020, foram feitas perfurações de 16 novos poços exploratórios no Brasil, segundo a ANP.

A autarquia não deu detalhes sobre as empresas responsáveis pelos poços previstos para este ano e nem sobre os locais onde eles serão perfurados.

Nos últimos anos, grandes petroleiras como Exxon, Shell, BP, Equinor e Chevron participaram de leilões de áreas exploratórias com grande potencial no Brasil. Os ativos arrematados pelas empresas demandam investimentos em atividades de prospecção e podem demorar anos até a entrada em produção.

(Por Marta Nogueira; Edição de Luciano Costa)