Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.031,99
    -883,46 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.057,27
    +358,55 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,35
    -0,83 (-1,25%)
     
  • OURO

    1.779,00
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    56.645,76
    -912,14 (-1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.443,58
    -25,50 (-1,74%)
     
  • S&P500

    4.513,03
    -53,97 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.168,68
    +109,23 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    15.940,25
    -210,25 (-1,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4313
    +0,0613 (+0,96%)
     

ANP nega risco de desabastecimento no Brasil

·2 min de leitura
  • A agência diz estar monitorando a cadeia produtiva e que as tomará providências necessário caso haja risco

  • Possibilidade veio a toma após Brasilcom emitir nota sobre cortes unilaterais de fornecimento feitos pela Petrobras

  • Os pedidos para o mês de novembro teriam superado capacidade produtiva da petroleira;

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) negou nesta terça-feira (19) em nota a possibilidade de desabastecimento de combustíveis no país.

"Não há indicação de desabastecimento no mercado nacional de combustíveis, nesse momento. A ANP segue realizando o monitoramento da cadeia de abastecimento e adotará, caso necessário, as providências cabíveis para mitigar desvios e reduzir riscos", disse a reguladora.

A possibilidade veio a público após a Associação das Distribuidoras de Combustíveis Brasilcom afirmar que diversas empresas foram avisadas pela Petrobras, responsável pelo refino do petróleo no Brasil, sobre "cortes unilaterais em pedidos de distribuição de gasolina e diesel". Segundo a nota, os cortes chegam a 50% em alguns casos.

Leia também:

A Petrobras, por sua vez, informou que recebeu uma quantidade de pedidos de fornecimento para o mês de novembro muito acima dos meses anteriores, e que "apenas com muita antecedência, a Petrobras conseguiria se programar para atender essa demanda atípica."

Porém, segundo a própria petroleira, sua capacidade de refino hoje é superior à de anos passados e que "a Petrobras segue atendendo os contratos com as distribuidoras, de acordo com os termos, prazos vigentes e sua capacidade. Além disso, a companhia está maximizando sua produção e entregas, operando com elevada utilização de suas refinarias.”

O aumento da demanda, segundo a Brasilcom, se deve ao fato de que as empresas têm encontrado dificuldade de importar produtos do exterior, "considerando a diferença atual entre os preços do mercado internacional, que estão em patamares bem superiores aos praticados no Brasil."

A Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Autônomos (Abrava) comunicou, nesta segunda-feira (18),sobre o aumento do risco de greve por parte dos caminhoneiros devido ao aumento projetado do preço do diesel no mês de novembro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos