Mercado abrirá em 5 h 19 min

Anonymous hackeia Ministério da Defesa e expõe dados de Villas Boas e Mourão

Wagner Wakka

Uma conta do Twitter chamada AnonOpsBR se declarou responsável pela invasão ao sistema do Ministério da Defesa que resultou na exposição de dados pessoais dos generais Villas Boas e Hamilton Mourão.

A invasão foi identificada pelo DefCon Lab, grupo de pesquisa da maior conferência hacker do mundo, e teria sido feita por injeção de SQL (SQLi). Em nota divulgada na rede de microblogs, os hackers informam que a ação é contra “fascismo e autoritarismo” dos generais.


“Nós somos Anonymous. Essa é uma mensagem direta ao fascismo e autoritarismo que ameaça a democracia brasileira através de seus generais Eduardo Villas Bôas e Mourão julgo vice do Bolsonaro, que sempre mandam recado com viés autoritário por meio de entrevistas, querendo tutelar a democracia por meio da força e do medo. Queremos dizer para vocês que estamos observando-os e estamos dentro de seus sistemas, estamos expondo parte do banco de dados do Ministério da Defesa em resposta a essa postura de ambos generais completamente antidemocráticas e provando que estamos observando de perto cada passo de vocês. Fazemos um chamado aos hackerativistas que defendem acima de tudo a democracia brasileira que se unam contra o fascismo e autoritarismo que rondam a nossa nação. Usem a hashtag #OpEleiçãoContraOFascismo”, aponta a nota.

Mourão é general da reserva do Exército e atual candidato à vice-presidente de Jair Bolsonaro pela chapa do PSL. Recentemente, ele deu declarações polêmicas sugerindo intervenção militar caso haja o que ele considera “caos” após as eleições. O candidato ganhou projeção ao se tornar o principal porta-voz da chapa depois que Bolsonaro foi internado em decorrência do atentado em Juiz de Fora, Minas Gerais.

Já Vilas Boas é o atual comandante do Exército, e também já sugeriu intervenção militar.

Os hackers tiveram acesso ao banco de dados do Ministério da Defesa e divulgaram informações como endereço, nomes, documentos oficiais e tabelas com informações como dados bancários da ambos os generais.

Grupo teria invadido sistema através de injeção de código SQL (Foto: DefCon)

Esta é a primeira ação sob a #OpEleiçãoContraOFascismo. Contudo, desde o início do ano, há ao menos 8 relatos de outras invasões sob a descrição de #OpVotoImpressojá. Entre as instituições afetadas estão o Senai, Caixa Econômica Federal e Tribunal Regional do Trabalho.

Fonte: Canaltech