Mercado abrirá em 3 h 58 min
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,36
    +0,54 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.821,60
    +5,10 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    42.741,73
    -491,41 (-1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.028,37
    +2,64 (+0,26%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    24.200,24
    -183,08 (-0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.333,52
    +209,24 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    15.565,75
    -30,00 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3156
    -0,0018 (-0,03%)
     

‘Annette’: Adam Driver e Marion Coutillard estreiam filme que rompe limites da comédia musical

·3 min de leitura

O diretor de cinema Leos Carax criou seu codinome artístico mirando na indústria americana: misturou as letras do nome de batismo, Alex, com as do prêmio Oscar. Até agora, porém, foi Cannes que marcou a carreira do realizador de 63 anos. No festival da Riviera Francesa ele despontou com “Os amantes da Pont-Neuf” (1991), ressurgiu com “Holy motors” (2012) e se consagrou, em 2021, vencendo o prêmio de direção por “Anette”. Estrelada por Adam Driver e Marion Coutillard, a comédia musical estreou sexta-feira na plataforma de streaming Mubi.

Grande Prêmio do Cinema Brasileiro:'Pacarrete' leva 8 troféus e 'Sob Pressão' é melhor série; confira lista de vencedores

Em coletiva realizada em um hotel no centro de Londres, Carax afirmou que “quis experimentar algo novo” com “Anette”, filme que causa estranheza ao transitar entre o pop e a música clássica para contar a história de um casal inusitado. Henry McHenry (Driver) é um famoso comediante de stand up que fez sua carreira ofendendo sua plateia. Ele se apaixona por Ann Defrasnoux (Coutillard), uma cantora de ópera cujo sucesso desperta o que há de pior em seu parceiro após o casamento.

Os dois viram alvo da imprensa de celebridades e têm uma filha, Annette — que desenvolve um dom especial e tem papel central na história na segunda metade do filme. Annette é interpretada por uma marionete por questões de efeitos especiais, mas também para representar uma metáfora sobre alienação parental.

O personagem de Driver é a personificação daquilo que hoje se chama masculinidade tóxica, mas Carax defende o personagem como alguém aterrorizado, talvez um reflexo de seus terrores pessoais.

— Sempre me interessei por comediantes de stand up. Acho assustadora a ideia de subir no palco com a obrigação de fazer as pessoas rirem. Para mim isso é um pesadelo. Ao mesmo tempo eu achei libertário poder fazer um personagem que não precisa fazer ninguém rir — diz Carax. — Eu acho que a comédia, pelo menos a boa comédia, é destrutiva. Autodestrutiva na verdade.

A ideia original do filme, conta o diretor, foi dos irmãos Ron e Russel Mael, que formam o duo pop Sparks. Ativos desde os anos 1970, os americanos participam da trilha sonora e assinam o roteiro com o diretor. Ron conta que o protagonista tem um quê de Andy Kaufman, comediante nova-iorquino morto em 1984 que desafiava plateias com seu humor.

— Ele era muito ofensivo e deixava a gente sem saber o que era personagem e o que era personalidade. Pesquisando, descobrimos que aparentemente ele era mesmo ofensivo com todos o tempo todo. Então, a discussão aqui é: quanto dessa comédia ofensiva é um reflexo do próprio comediante?

Cantoria no sexo oral

Além dos limites da comédia, “Annette” também parece fazer parte da safra recente de filmes que discute o machismo. Os Spark explicam, no entanto, que a história do comediante violento denunciado por abusar de ex-namoradas surgiu há nove anos.

— Claro que o movimento #metoo foi só a explosão de algo que sempre existiu, e todo mundo sempre soube disso — diz Russel.

Estas questões, no entanto, podem ficar em segundo plano por causa de uma cena específica que chamou a atenção de alguns críticos. Na sequência, o personagem de Driver aparece fazendo sexo oral na personagem de Coutillard, interrompe o ato para cantar um verso de uma canção e retorna à atividade anterior.

— A comédia musical é sempre algo em que nada acontece além de os personagens se apaixonarem. Ninguém transa, ninguém vai ao banheiro. Resolvi quebrar esse paradigma. Eles estão apaixonados e vão transar — explicou o diretor. — O burburinho em torno da cena é indicativo de um retrocesso moral pelo qual o mundo está passando atualmente e que se repete em ciclos.

O duo Sparks comentou achar triste que algumas pessoas reduzam a história de “Annette” a uma cena de sexo, mas, ao mesmo, aponta que ela é também uma representação do filme por inteiro, já que, segundo eles, é a primeira vez na história do cinema que algo desse tipo é feito e que o objetivo deles era romper com o cânone do musical.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos