Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,77
    +0,34 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.787,80
    +5,80 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    50.609,48
    -3.237,67 (-6,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.155,51
    -87,54 (-7,04%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.836,67
    +81,33 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.957,97
    -230,20 (-0,79%)
     
  • NASDAQ

    13.773,00
    +22,75 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5469
    +0,0053 (+0,08%)
     

ANM concede 3.698 áreas para pesquisa e exploração mineral

·2 minuto de leitura
Área de mineração em São Gonçalo do Rio Abaixo (MG)

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Agência Nacional de Mineração (ANM) concederá 3.698 áreas para pesquisa e exploração mineral a partir da segunda rodada de disponibilidade, com a arrecadação de 165 milhões de reais aos cofres públicos, informou a agência reguladora em nota nesta terça-feira.

Do montante total, 3.504 áreas serão para pesquisa e 194 para lavra, segundo a autarquia. Todos os Estados foram contemplados, com exceção de Roraima.

O edital da rodada, publicado em dezembro, ofertou 6.879 áreas com os mais variados tipos de substâncias minerais, das quais 1.713 áreas tiveram apenas um interessado e não precisaram ser disputadas.

As demais 2.415 áreas, como houve mais de um interessado, avançaram para a segunda etapa, onde o vencedor é decidido em um leilão eletrônico. No total, 1.985 interessados ofertaram um total de 157 milhões de reais para pesquisa e 7,8 milhões de reais para lavra.

O advogado e sócio da área de Mineração do escritório Mattos Filho Adriano Drummond Trindade destacou à Reuters que o resultado da rodada da ANM foi muito positivo, ao permitir que investidores tivessem acesso a áreas que antes estavam travadas com o Estado brasileiro.

"Mostrou que esse modelo funciona, ele destravou oportunidades... e mesmo as áreas que não foram arrematadas passam agora a estar disponíveis para requerimentos", disse Drummond, ao pontuar que a iniciativa da ANM contou com o apoio do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do Governo Federal.

A disponibilização de áreas da ANM entrou para o PPI em maio de 2020, virando um dos projetos para fomentar o desenvolvimento social e econômico do país. A primeira rodada aconteceu em setembro do mesmo ano e ofertou, experimentalmente, 500 áreas para pesquisa.

Com a publicação do resultado da segunda rodada no Sistema de Oferta Pública e Leilão de Áreas (SOPLE), no portal da ANM, agora o processo vai para fase de recursos para, então, os interessados fazerem o pagamento dos arremates.

PRÓXIMOS PASSOS

A ANM destacou que o projeto de disponibilidade de áreas da ANM tem como objetivo girar economicamente um passivo de cerca de 50 mil áreas que podem ser usadas para pesquisa e lavra, mas estavam paradas por falta ou demora na análise por parte antigo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

São projetos minerários já outorgados anteriormente, mas que retornaram à agência por diversos fatores, como perda do direito minerário dos antigos titulares, indeferimentos ou caducidade, provocados por abandono do empreendimento, desistência e inadimplência de obrigações.

"Nosso objetivo é criar condições para gerar 1 bilhão de reais em investimentos até o fim de 2022, quando zerarmos as 50 mil áreas que estão na carteira da ANM", disse em nota o superintendente de Regulação de Governança Regulatória da ANM, Yoshihiro Nemoto.

"O retorno dessas áreas para o mercado gera emprego, renda, investimento --um impacto financeiro de 3 bilhões de reais na redução do fardo regulatório."

(Por Marta Nogueira)