Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.802,39
    -554,16 (-0,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

ANJ cobra celeridade do Cade em inquérito sobre remuneração por conteúdo

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Associação Nacional de Jornais (ANJ) veio a público nesta quarta (3) pressionar o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) a acelerar um inquérito criado para averiguar as condições de concorrência no mercado de busca, envolvendo Google e veículos jornalísticos. Ele foi aberto pelo próprio Cade em julho de 2019, a partir de outro caso ligado à plataforma. A conselheira Paula Azevedo arquivou aquele caso, mas verificou indícios que poderiam configurar outra prática anticompetitiva, em relação ao uso do resumo de conteúdo nas buscas, daí o pedido do inquérito administrativo. No entender do presidente da ANJ, Marcelo Rech, ele "vem evoluindo para a remuneração da atividade jornalística" no país, como reflexo do debate sobre o tema em países como a Austrália, a França e o Canadá. Segundo o advogado Márcio de Carvalho Silveira Bueno, do escritório Caminati Bueno Advogados, contratado pela ANJ, "está havendo uma inércia, uma inação ou omissão do Cade, enquanto nos outros países a coisa está avançando". Procurada, a assessoria do Cade respondeu, "para fins de esclarecimento, que o inquérito foi aberto pelo Cade ex oficio, por conta própria, e não por ação da ANJ", que "apenas foi chamada a se manifestar nos autos, como outras empresas de comunicação". Desde o início, já teriam sido cerca de 30 empresas, a maioria veículos jornalísticos, além do Google. Não há prazo para o fim do inquérito, que poderá ser arquivado. Só no caso de haver "indícios mínimos de infração concorrencial" é que será instaurado, então, "processo administrativo". O processo demandaria ainda um parecer da superintendência-geral, para o envio por fim ao tribunal do Cade e o eventual julgamento. Só no inquérito, a fase inicial, já foram um ano e oito meses. Procurado, o Google Brasil afirmou que tem "cooperado com o Cade para esclarecer dúvidas sobre o inquérito desde 2019". Acrescentou que "apoia o futuro do jornalismo gerando tráfego, desenvolvendo ferramentas que ajudam a criar novos modelos de negócios e realizando treinamentos, bem como por meio de fundos e parcerias sólidas com toda a indústria de notícias". Desde outubro, "mais de 35 jornais, revistas e emissoras brasileiras concordaram em licenciar seu conteúdo jornalístico de qualidade e compartilhá-lo por meio" do Google News Showcase ou Destaques. O advogado Ricardo Campos, que atua em ações envolvendo plataformas no Brasil e é docente assistente na Universidade de Frankfurt, sublinha que o inquérito reflete "um movimento global". No caso, "pode ser uma semente que vá secar, mas daí já surge um debate no Brasil".