Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.434,57
    +383,10 (+1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Aniversário da greve e ano eleitoral estimulam manifestações de caminhoneiros

***ARQUIVO*** , SP - 01/11/2021 - GREVE DOS CAMINHONEIROS - Caminhões em posto de parada na Via Anhanguera, região de Campinas - (Foto: Jardiel Carvalho/Folhapress)
***ARQUIVO*** , SP - 01/11/2021 - GREVE DOS CAMINHONEIROS - Caminhões em posto de parada na Via Anhanguera, região de Campinas - (Foto: Jardiel Carvalho/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Além da alta do diesel, que sempre leva os caminhoneiros a planejar novas ameaças de travar as estradas, neste mês a categoria tem outro motivo para reaquecer as conversas sobre greve. No dia 21, a grande paralisação de 2018 completa quatro anos e, mais uma vez em ano eleitoral, o que agrega um elemento atraente para oportunismos políticos.

Nesta quarta (11), o governo Bolsonaro jogou mais combustível na pauta dos motoristas ao trocar o ministro de Minas e Energia.

A mudança foi só para ganhar tempo, na avaliação de Wallace Landim, o Chorão, presidente da Abrava (associação dos condutores de veículos automotores) e um dos principais líderes da greve de 2018. Em rede social, ele diz que fez uma enquete para medir a disposição de organizar uma greve no dia 21 e que teve retorno favorável.

A troca do ministro foi vista por caminhoneiros como um gesto do governo para encenar uma tentativa de mudança diante da crise dos preços dos combustíveis. "Apenas ganha tempo e empurra com a barriga", diz Plínio Dias, presidente do CNTRC (Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas).

O ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas costumava ser apontado como um negociador habilidoso para desencorajar os caminhoneiros nas tentativas de paralisação. A partir de agora, novas ameaças terão de ser contidas pelo ministro Marcelo Sampaio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos