Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,17
    +1,02 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.929,90
    -12,70 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    23.062,87
    -101,57 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,70
    -3,49 (-0,66%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.566,78
    +522,13 (+2,37%)
     
  • NIKKEI

    27.362,75
    -32,26 (-0,12%)
     
  • NASDAQ

    12.074,75
    +201,50 (+1,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5192
    -0,0196 (-0,35%)
     

Animais terrestres devem enfrentar calor extremo graças a mudanças climáticas

As mudanças climáticas já têm sido alvo de preocupação por parte da comunidade científica, e de acordo com um artigo publicado na revista Nature na última quarta (18), metade dos animais terrestres deve enfrentar um calor extremo, graças a esse fenômeno, o que só faz aumentar o alerta.

A equipe de cientistas analisou dados de temperatura de 1950 a 2099 para entender como os eventos de calor extremo devem afetar os vertebrados terrestres globalmente. Segundo o artigo, o calor extremo pode ser definido como um período de tempo que “excede significativamente” o limite histórico de calor.

Em um cenário de alto aquecimento global que prevê um aumento de 4,4 graus Celsius na temperatura global, cerca de 41% dos vertebrados terrestres devem suportar calor extremo que supera o recorde histórico. De acordo com o artigo, mais de 3 mil espécies de animais terrestres (o equivalente a 11% de todas as espécies) devem sofrer com calor extremo por mais de seis meses do ano. A relação de cada grupo de animais afetados é a seguinte:

  • 55,5% dos anfíbios

  • 51% dos répteis

  • 31% dos mamíferos

  • 25,8% das aves

A teoria dos especialistas é que répteis e anfíbios estejam adaptados para viver em uma faixa de temperatura mais estreita em alguns locais específicos do planeta.

Anfíbios devem enfrentar calor extremo graças a mudanças climáticas (Imagem: Tina_Kabani/Envato)
Anfíbios devem enfrentar calor extremo graças a mudanças climáticas (Imagem: Tina_Kabani/Envato)

Os autores ainda revelam que os animais em regiões que estão de 30 a 60 graus ao norte e ao sul do Equador serão mais afetados por mudanças extremas na temperatura diária, já que isso inclui lugares como desertos, matagais e pastagens.

O alerta é que o aquecimento global induzido pelo homem está causando mudanças extremas de temperatura em todo o mundo, e não são apenas os humanos que sofrerão o impacto desses eventos extremos de calor, mas também os animais. “Cortes profundos nas emissões de gases de efeito estufa são necessários com urgência”, concluem os pesquisadores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: