Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    62.013,01
    +2.207,08 (+3,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Animais estão modificando seus corpos para sobreviver às mudanças climáticas

·1 minuto de leitura

As mudanças climáticas já representam uma ameaça à humanidade no futuro, mas as suas consequências já podem ser notadas em animais que vivem na natureza. De acordo com um novo estudo, o problema vem resultando na alteração morfológica de algumas espécies.

A pesquisa diz que os corpos dos animais estão se modificando para se adaptar ao calor, e que isso já é visto no tamanho das asas de morcegos ou ainda das orelhas de ratos. Os pesquisadores contam que isso acontece devido a algo chamado Regra de Allen, afirmando que animais adaptados a climas mais frios têm os membros mais curtos, e os adaptados aos climas quentes têm os membros mais longos.

<em>Imagem: Reprodução/Wirestock/Freepik</em>
Imagem: Reprodução/Wirestock/Freepik

Isso, porque a área exposta é minimizada para perder menos calor em dias frios, e vice-versa. Então, com o aquecimento global, os membros dos animais estão ficando cada vez maiores para maximizar a perda de calor e manter o corpo mais fresco. A pesquisa observou, por exemplo, que cacatuas gang-gang e papagaios de cauda vermelha aumentaram seus bicos entre 4% a 10% desde 1871, e que musaranhos do Alasca aumentaram o comprimento da cauda, o que aconteceu em uma região que deveria ser naturalmente fria.

"A mudança climática que nós criamos está acumulando uma pressão muito grande neles [os animais], e enquanto algumas espécies irão se adaptar, outras não vão", conta Sara Ryding, autora do estudo. A cientista diz que as alterações nos corpos dos animais não significam que eles estão de acordo com as mudanças climáticas e ficarão bem, mas sim que eles estão evoluindo para conseguir sobreviver.

Você pode conferir o estudo neste link.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos