Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.054,24
    +5,95 (+0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Aneel abre consulta pública para regulamentar usinas híbridas e associadas

Letícia Fucuchima
·1 minuto de leitura

Projetos que combinam mais de uma tecnologia de geração buscam explorar complementaridade de fontes A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) abre nesta quarta-feira uma consulta pública para discutir a regulamentação de usinas híbridas e associadas, isto é, empreendimentos que combinam mais de uma de tecnologia de geração de energia ou mesmo formas de armazenamento, como baterias. O assunto é de interesse de vários empreendedores que vêm estudando a viabilidade desse formato para novos projetos, como a AES Tietê e a joint venture entre Votorantim Energia e o fundo canadense CPPIB. Nesses casos, a ideia seria trabalhar a complementaridade de fontes “intermitentes” e que costumam gerar em horários diferentes (eólica e solar, por exemplo). A consulta pública acontecerá em etapas. Nessa primeira fase, a Aneel colocou em discussão a Análise de Impacto Regulatório (AIR) elaborada pelas áreas técnicas a respeito do tema. O documento trata, entre outros pontos, de possíveis alterações na emissão das outorgas de geração e na aplicação dos descontos nas tarifas de uso dos sistema de distribuição (Tusd) e transmissão (Tust). O prazo para contribuição vai até 4 de dezembro. Segundo a avaliação da Aneel, as usinas híbridas ou associadas têm potencial para trazer ganhos de eficiência para o sistema elétrico, reduzindo custos de operação e postergando a necessidade de novos investimentos em expansão. Mario Proenca/Bloomberg