Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.595,00
    +296,15 (+2,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Anec vê leve alta em projeção de exportações de milho do Brasil em setembro; reduz soja

·1 minuto de leitura
Milho importado do Brasil em terminal no porto de Tuxpan, México
Milho importado do Brasil em terminal no porto de Tuxpan, México

SÃO PAULO (Reuters) - A exportação de milho do Brasil deverá somar 6,38 milhões de toneladas em setembro, estimou nesta terça-feira a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), elevando ligeiramente sua projeção, que até a semana passada era de 6,23 milhões de toneladas.

Com o volume projetado para setembro, embasado em embarques já efetivados e programados, o país fecharia os nove primeiros meses do ano com exportações de 20,7 milhões de toneladas, versus 28,2 milhões de toneladas no mesmo período de 2019, segundo dados da Anec.

O Brasil está no pico do escoamento do cereal e a Anec projeta embarques entre 31 milhões e 33 milhões de toneladas para 2020, conforme avaliação divulgada no início deste mês.

Já a exportação de soja do país foi estimada em 3,93 milhões de toneladas para setembro, leve queda ante as 4,3 milhões de toneladas estimadas na semana anterior.

Os embarques da oleaginosa foram muito concentrados em meses anteriores, com a forte demanda da China e um câmbio favorável, e estão estimados em 79,2 milhões de toneladas de janeiro a setembro, ante 60,8 milhões no mesmo período de 2019.

Para o ano de 2020, a associação estima embarques de 82 milhões de toneladas.

(Por Nayara Figueiredo)