Mercado abrirá em 9 h 15 min
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,67
    -0,90 (-2,27%)
     
  • OURO

    1.908,40
    -3,50 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    13.805,37
    +50,61 (+0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    273,02
    +11,73 (+4,49%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.619,54
    -167,65 (-0,68%)
     
  • NIKKEI

    23.402,61
    -83,19 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.527,25
    -60,75 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7210
    -0,0022 (-0,03%)
     

Android gerou receitas equivalentes a 2% do PIB brasileiro em 2019, diz estudo

Rui Maciel
·5 minutos de leitura

Um levantamento feito pela consultoria Bain & Company apontou que o Android gerou receitas estimadas em R$ 136 bilhões ao mercado brasileiro. Isso aconteceu a partir de empresas diretamente envolvidas no ecossistema do sistema operacional móvel do Google, associadas às indústrias de hardware, software e conectividade. O valor representa cerca de 2% do PIB brasileiro em 2019.

O estudo, inédito no Brasil, aponta também que 630 mil empregos estão nesta cadeia de valor direta da plataforma Android, o que equivale a, aproximadamente, 35% dos trabalhadores na indústria de tecnologia e telecomunicações. O Brasil está entre os cinco maiores mercados do Android no mundo, com mais de 90% dos brasileiros usuários de smartphone utilizando dispositivos com o sistema operacional do Google.

Sistema aberto + smartphones baratos = maior acesso a internet para população

O documento da Bain & Company aponta que o fato do Android oferecer dinamismo, acessibilidade e ser de código aberto permitiu que a maior acesso da população brasileira a internet. Isso porque esses três fatores permitem às fabricantes de smartphones lançarem uma ampla gama de aparelhos, com capacidade, funcionalidade e faixas de preços diferentes, que cabem em todos os bolsos.

Neste contexto, a diminuição dos preços dos dispositivos foi fundamental para essa democratização do acesso dos brasileiros a internet. A pesquisa da Bain & Company aponta que, hoje, 80% das pessoas das classes D e E pagam menos de R$1.000 por um smartphone no Brasil. Nos últimos 5 anos, 24 milhões de brasileiros foram introduzidos à internet por meio de um dispositivo Android.

Aparelhos Android permitiram um maior acesso da população a internet (Imagem: Bain & Company)
Aparelhos Android permitiram um maior acesso da população a internet (Imagem: Bain & Company)

Além disso, o smartphone tornou-se a principal forma de entrada para a web: hoje, 97% dos usuários de internet no Brasil acessam a internet por meio de um smartphone, e 51% acessa exclusivamente dessa forma. Nove em cada 10 usuários utilizam o aparelho todos os dias.

Novos cenários de trabalho

O aumento exponencial no número de smartphones no Brasil - desde 2002 o número de fabricantes saltou para 13, que vendem 50 milhões de dispositivos por ano (o equivalente a 3% do total mundial e 56% do total da América do Sul) - ajudou a mudar ainda o cenário trabalhista no setor de Tecnologia no país. O Android contribuiu para a criação de um ecossistema de desenvolvedores e empresas de software, o que abriu novas profissões e formas de trabalho.

Segundo a pesquisa da Bain & Company, ganharam força dois tipos de trabalho: a dos envolvidos no desenvolvimento de aplicativos e a gig economy, composta por trabalhadores temporários, autônomos e freelancers. O fenômeno é tão recente que, atualmente, cerca de 75% dos trabalhadores da carreira de desenvolvedores estão há menos de 5 anos trabalhando no setor.

 Perfil profissional dos desenvolvedores (Imagem: Bain & Company)
Perfil profissional dos desenvolvedores (Imagem: Bain & Company)

Entre outros dados sobre o impacto do sistema operacional do Google no mercado da programação, o estudo da Bain & Company aponta que, hoje, 80% dos desenvolvedores trabalham com Android; além disso, pelo menos 78% dos desenvolvedores iniciaram sua jornada profissional com a plataforma.

Além disso, o documento afirma que 73% dos profissionais consideram o Android como a plataforma principal de programação. E para 83% deles, o ecossistema altamente colaborativo entre os integrantes do sistema operacional é o principal motivo para a escolha do mesmo.

Impacto salarial

A procura por desenvolvedores qualificados é crescente e a transição entre empresas é frequente. Cerca de 35% dos desenvolvedores com até dois anos de experiência já mudou de empresa e, para desenvolvedores com até cinco anos de experiência, esse número chega a 50%.

Segundo os próprios desenvolvedores, o mercado é atrativo por questões financeiras e qualitativas. Vê-se que, financeiramente, espera-se um salário bruto mensal médio aproximado de R$ 2.750 no primeiro ano de trabalho, podendo evoluir até uma média aproximada de R$ 4.750 no quinto ano. Entre profissionais com mais de dez anos de experiência, a remuneração média aproximada é de R$ 11.750 e 30% possui remuneração média mensal entre R$ 10.000 e R$ 20.000 enquanto 25% atinge remuneração maior do que R$ 20.000.

Remuneração por faixa de experiência (Imagem: Bain & Company)
Remuneração por faixa de experiência (Imagem: Bain & Company)

Além da remuneração, outros aspectos foram bem avaliados pelos desenvolvedores. Entre os principais, destacam-se a alta possibilidade de crescimento, tanto na carreira de desenvolvedor mobile quanto na carreira de desenvolvedor de softwares, e a grande demanda por mão de obra. Como contraponto, os desenvolvedores reforçam a necessidade de afinidade com raciocínio lógico de programação para destacar-se na carreira.

Android vs. iOS

A pesquisa questionou os profissionais de TI sobre a importância das diferentes funcionalidades para uma plataforma de desenvolvimento. As principais respostas dadas pelos desenvolvedores indicaram a atração de novos usuários, o auxílio na melhoria da qualidade de serviços e a ajuda na retenção de usuários como as funcionalidades mais importantes.

Já como menos importantes se destacaram a baixa necessidade de investimento para desenvolver e
publicar um aplicativo, a diversidade de linguagens disponíveis e a possibilidade de publicar um aplicativo em versão beta.

Segundo os desenvolvedores, as plataformas Android e a iOS satisfazem os critérios de maneira distinta. A primeira foi considerada preferível quando o desenvolvedor busca ferramentas de apoio para o desenvolvimento. Funcionalidades como disposição de tecnologia Open Source, publicação beta, baixo investimento e um ecossistema rico e repleto de recursos foram bem avaliadas para o Android. Além disso, a plataforma se destaca com melhor avaliação para a atração de novos usuários, em sinergia com a maior aquisição de smartphones Android pela população.

Já a plataforma iOS foi considerada preferível quando o objetivo do aplicativo é o retorno financeiro adequado versus investimentos de desenvolvimento do aplicativo e ao se considerar a segurança de distribuição dos aplicativos.

Para desenvolver o estudo, os números apresentados pela Bain & Company leva em conta fontes diretamente ligadas ao mercado, como líderes do setor de telecomunicações e da tecnologia, que participaram ativamente da construção e do levantamento dos números; profissionais responsáveis pelo desenvolvimento de aplicativos para extração e cruzamento das informações e, também, usuários de smartphones.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: