Mercado abrirá em 6 h 32 min

Android Go ainda vale a pena em 2022?

O Android Go é uma versão enxuta do Android, criada para rodar em celulares de entrada que possuem foco no baixo custo. Estes smartphones visam atender a usuários iniciantes, ou que dispensam recursos avançados, como telas de alta qualidade, som estéreo ou câmeras potentes.

Com a popularização dos serviços digitais, como transações bancárias e atendimento via videoconferência, novos perfis de usuários passaram a fazer uso pleno de celulares. O problema é que muitos modelos são caros, e alguns dos que se propõem a oferecer melhor custo-benefício, nem sempre fornecem desempenho satisfatório.

Por isso, a Google criou o Android Go; uma versão do sistema totalmente voltada para aparelhos de baixo custo. Adicionalmente, a empresa também lançou versões “Go” de seus principais aplicativos, para que eles ocupem menos espaço e demandem menos processamento.

Contudo, atualmente já temos celulares de entrada que trazem a versão padrão do Android, e conseguem fornecer uma boa experiência de uso no dia a dia. Sendo assim, será que ainda vale a pena investir em um celular com Android Go?

O que dá para fazer em um celular com Android Go?

De forma surpreendente, um aparelho com Android Go consegue realizar praticamente qualquer tarefa que um smartphone que usa a versão padrão do sistema operacional. A Google disponibiliza versões Go de seus principais aplicativos, como o Assistente Go, o Gmail Go, o Maps Go, entre outros.

Estes apps oferecem a maioria dos principais recursos, mas são mais leves, tanto na execução quanto no tamanho, e, por isso, eles ocupam menos espaço na memória interna do aparelho.

(Imagem: Captura de tela/Maldditu Xavier/Canaltech)
(Imagem: Captura de tela/Maldditu Xavier/Canaltech)

Em contrapartida, os desenvolvedores de aplicativos populares também disponibilizam versões mais enxutas de seus apps, comumente chamadas de “Lite”. É o caso da Meta, que possui o Facebook, Messenger e Instagram, todos na versão Lite. Até mesmo o Uber conta com uma versão apropriada para rodar no Android Go.

Também é possível utilizar todos os apps do governo sem nenhum problema, como a Carteira de Trabalho Digital. Neste caso, o governo federal mantém a mesma versão dos apps para a versão padrão do Android.

Outra possibilidade é instalar a versão padrão dos aplicativos no Android Go. Porém, como os celulares que trazem esse SO são de entrada e possuem recursos limitados, isso acabaria por sobrecarregar o armazenamento interno do aparelho com mais rapidez. Essa abertura, ao menos, permite que apps que não possuem versão Lite sejam usados, como o app da Netflix.

Fora a parte dos apps, o sistema também oferece boa parte dos recursos encontrados em sua versão padrão. Contudo, há muitas limitações de personalização e funcionalidades mais avançadas, tudo para manter o sistema leve e fluido.

(Imagem: Captura de tela/Maldditu Xavier/Canaltech)
(Imagem: Captura de tela/Maldditu Xavier/Canaltech)

Quais as limitações dos aparelhos com Android Go?

Como eu já citei, os aparelhos equipados com o Android Go são de baixo custo. Por isso, eles possuem limitações de hardware, de design e também de construção, sem falar de alguns recursos que já viraram padrão de mercado.

Estas são algumas das limitações comumente encontradas em celulares equipados com o Android Go:

  • Chassi feito inteiramente em plástico;

  • Tela sem proteção antirrisco;

  • Tela com painel de baixa qualidade;

  • Nenhuma certificação de proteção contra água ou poeira;

  • Nenhum sistema de desbloqueio via impressão digital ou reconhecimento facial;

  • Sistema de câmeras simples, com apenas um sensor frontal e um sensor traseiro;

  • Chipsets simples, com desempenho básico;

  • Ausência de algumas tecnologias já padronizadas, como NFC, porta USB-C, Wi-Fi dual-band, entre outras.

Como podemos perceber, os celulares com Android Go costumam sofrer muitos cortes para oferecer preço em conta, ao mesmo passo em que o sistema fornece uma experiência otimizada. Dessa forma, os recursos extras não deixam a interface do SO pesada ou inflada.

Quanto custa um celular com Android Go?

Um dos celulares mais populares do mercado que usa o Android Go é o Galaxy A03 Core, da Samsung. Atualmente, o aparelho pode ser encontrado por valores entre R$ 660 e R$ 800. Abaixo dos R$ 700 ele pode ser uma ótima opção para quem busca um smartphone barato, simples e com bateria que dura bastante.

(Imagem: Captura de tela/Maldditu Xavier/Canaltech)
(Imagem: Captura de tela/Maldditu Xavier/Canaltech)

Outra boa opção de celular com Android Go é o Moto E20, da Motorola. Embora esteja custando um pouco mais que o Galaxy A03 Core, ele pode ser uma melhor opção para quem curte a marca e deseja ter uma experiência mais próxima do Android Go puro.

Vale a pena comprar um celular com Android Go em 2022?

Celulares com Android Go são bem limitados em relação a vários aspectos e recursos consagrados em modelos mais avançados.

No entanto, estes aparelhos podem realizar todas as principais tarefas de seus “colegas” mais parrudos, como acessar contas digitais, realizar videochamadas, solicitar corridas em apps de transporte, checar emails e até fazer algumas capturas básicas de fotos e vídeos, entre outras.

(Imagem: Captura de tela/Maldditu Xavier/Canaltech)
(Imagem: Captura de tela/Maldditu Xavier/Canaltech)

Fora isso, esses celulares conseguem entregar desempenho bastante satisfatório, mesmo com hardware simples, já que o sistema operacional é extremamente leve e otimizado. E um aparelho com poucos recursos, mas totalmente funcional, é melhor que um dispositivo inflado, que não consegue realizar nenhuma tarefa sem apresentar lentidão.

Sendo assim, em uma situação de promoção, onde um smartphone com Android Go esteja com preço atraente, e distante dos valores cobrados pelos modelos com a versão padrão do sistema, eles podem, sim, ser boas opções de celulares para usuários que precisam economizar, e abrem mão de tecnologias mais recentes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: