Mercado fechará em 5 h 45 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    0,00 (0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,89
    -0,58 (-0,74%)
     
  • OURO

    1.892,70
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    22.738,89
    -399,86 (-1,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,12
    -12,78 (-2,38%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.944,29
    +59,12 (+0,75%)
     
  • HANG SENG

    21.624,36
    +340,84 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.670,00
    +124,75 (+0,99%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6142
    +0,0468 (+0,84%)
     

Excesso de telas faz problemas de vista dispararem em crianças na pandemia

Nas próximas semanas, as escolas voltam a funcionar, marcando o início de um novo ano letivo no Brasil. Ainda nos primeiros dias de aula, pais, professores e responsáveis devem estar especialmente atentos às possíveis queixas apresentadas pelas crianças e adolescentes, como dificuldades de enxergar nitidamente.

Aqui, cabe destacar que a pandemia da covid-19 e o excesso de telas, associado com o período de isolamento, provocaram um aumento de problemas oftalmológicos, como a miopia, em crianças. Inclusive, diferentes estudos nacionais e internacionais já confirmam esta relação.

Analisando dados do primeiro ano da pandemia, cientistas da China observaram que a prevalência de miopia aumentou de 1,4 a 3 vezes em comparação com os 5 anos anteriores nas crianças de 6 a 13 anos. Na cidade de São Paulo, um levantamento da prefeitura identificou um aumento de 134% nos diagnósticos de miopia nos pequenos em 2022 em relação aos últimos dois anos.

Quais problemas de visão estão mais comuns em crianças no pós-pandemia?

Segundo especialistas, embora a epidemia da miopia seja predominante, é possível considerar que três tipos de problemas de visão estão mais comuns em crianças nos últimos anos. São eles:

  • A miopia, como já mencionado, nestes casos, o paciente apresenta dificuldade de enxergar para longe;

  • A hipermetropia, ou seja, a dificuldade de enxergar de perto;

  • O astigmatismo, marcada pela junção da miopia com a hipermetropia.

Por que essas complicações se intensificaram?

“Hoje, estudos mostram que, além do fator genético, há fatores comportamentais no aparecimento e desenvolvimento da miopia. Entre as causas, estão a exposição exagerada a telas e falta de atividades ao ar livre”, explica Emerson Castro, oftalmologista do Hospital Sírio-Libanês.

De forma geral, essas situações foram comuns aos pequenos nos momentos mais agudos da covid-19, onde as escolas deixaram de atuar de forma presencial. “Com a pandemia, tivemos, além das aulas online, muitas atividades dentro de casa, que não estimulam o olhar para longe”, complementa Castro.

Excesso de telas na pandemia aumentou o risco de problemas de visão em crianças (Imagem: KaikaTaaK/Envato)
Excesso de telas na pandemia aumentou o risco de problemas de visão em crianças (Imagem: KaikaTaaK/Envato)

Embora a pandemia tenha acentuado a onipresença das telas, antes da descoberta do vírus da covid-19, já era uma tendência a maior exposição dos pequenos. Para o momento de pós-pandemia, o desafio é incentivar atividades externas e o "desapego" aos celulares e outros aparelhos eletrônicos.

Sinais e sintomas de problemas de visão em crianças, como miopia

Nenhum desses problemas de visão causam dor ou têm outras manifestações semelhantes a de uma gripo, por exemplo. Dessa forma, entender que o pequeno precisa de ajuda depende da observação das pessoas próximas. Entre os principais sinais estão:

  • Dificuldade de leitura, quando já está alfabetizado;

  • Aproximar ou afastar objetos do rosto para ler;

  • Queda no desempenho escolar;

  • Olho coçando;

  • Relato de dificuldades para enxergar;

  • Desvios de direção nos olhos.

Em caso de suspeita ou de dúvidas sobre problemas na visão, os responsáveis devem procurar um oftalmologista. Com ajuda do especialista, é possível realizar diferentes tipos de teses, incluindo o exame de refração — aquele que define o grau do óculos a ser usado.

Limitar o acesso a telas na infância

Para Castro, é interessante limitar o acesso a telas pelas crianças. Quando não for possível, como no caso de aulas virtuais, alguns exercícios podem ser indicados. Por exemplo, a cada trinta minutos em frente ao computador, vale fazer uma pausa de trinta segundos, focando o olhar em um ponto mais longe, através de uma janela.

Para proteger a visão das crianças, a Sociedade Americana de Pediatria recomenda que:

  • Bebês e crianças de até 2 anos não sejam expostos a telas, principalmente próximas ao rosto;

  • Crianças de até 5 anos podem ter de uma a duas horas de tela por dia, incluindo a televisão;

  • Crianças com mais de 6 anos e adolescentes podem ter até três horas de telas por dia.

Aqui, é importante destacar que esses problemas de visão não devem ser ignorados pelos responsáveis, já que comprometem o aprendizado em sala de aula e a autoestima das crianças. Além disso, sabe-se que pessoas com casos mais severos de miopia, por exemplo, têm risco elevado para outros problemas que envolvem os olhos, como descolamento de retina, glaucoma e catarata.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: