Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    -0,56 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    21.361,39
    +24,82 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,16 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,77 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5317
    +0,0200 (+0,36%)
     

Andrômeda tem “fósseis” de antiga colisão com galáxia vizinha

Uma equipe de astrônomos reconstituiu o passado violento de Andrômeda, nossa vizinha galáctica, através de análises da composição e movimento de mais de 500 estrelas dela. As descobertas foram apresentadas durante um encontro da American Astronomical Society, e podem ajudar os cientistas a compreender os eventos e processos por trás da evolução das galáxias.

Localizada a 2,5 milhões de anos-luz da Terra, Andrômeda é a grande galáxia mais próxima da Via Láctea. No estudo, os pesquisadores identificaram a composição química e o movimento de 556 estrelas gigantes vermelhas em uma região chamada “Plataforma Nordeste”. Eles concluíram que a Plataforma é, na verdade, uma estrutura criada por forças de maré e matéria, formada por interações gravitacionais com outra galáxia.

As colisões entre galáxias criam diferentes formas, nascidas das forças de maré gravitacionais (Imagem: Reprodução/ C.Conselice et al)
As colisões entre galáxias criam diferentes formas, nascidas das forças de maré gravitacionais (Imagem: Reprodução/ C.Conselice et al)

Geralmente, as galáxias crescem através da acreção de material de objetos próximos (como outras galáxias e aglomerados globulares) após colisões violentas. Estes eventos deixam para trás vestígios na forma de estruturas de marés gravitacionais, associações estelares em fluxos alongados ou em arcos, que se movem ao redor da galáxia que sobreviveu ao encontro.

No caso de Andrômeda, a estrutura parece ser formada principalmente pelos detritos da colisão. “Os restos de cada colisão podem ser identificados pelo estudo do movimento das estrelas e de suas composições químicas”, explicou Ivanna Escala, coautora do trabalho. Segundo ela, esta informação é uma espécie de “impressão digital”, que permite identificar as estrelas que participaram da colisão.

“Realizamos a primeira caracterização detalhada da composição química e movimento geométrico das estrelas nesta região da nossa galáxia vizinha, demonstrando conclusivamente que a prateleira é uma estrutura de maré provavelmente composta por detritos do resultado da colisão”, disse Escala.

Os autores acreditam que o estudo destes fluxos de matéria pode ajudar os cientistas a entender como as galáxias ganham matéria, revelando também a história, a aparência e a composição da galáxia e das estruturas próximas. Por fim, a análise confirma previsões anteriores sobre o passado de Andrômeda.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos