Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    58.887,80
    +296,02 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Brandão renuncia à presidência do BB; governo nomeia Fausto Ribeiro

Aluisio Alves e Lisandra Paraguassu
·2 minuto de leitura
Sede do Banco do Brasil em Brasília

Por Aluisio Alves e Lisandra Paraguassu

SÃO PAULO (Reuters) - O governo federal anunciou nesta quinta-feira que indicou Fausto Ribeiro para ser o próximo presidente-executivo do Banco do Brasil, após o atual mandatário do banco estatal, André Brandão, ter renunciado ao cargo.

Ribeiro, funcionário de carreira no BB desde 1988, será o terceiro presidente do banco em cerca de seis meses, com Brandão finalmente sucumbindo ao desgaste com o presidente Jair Bolsonaro após o anúncio em janeiro de um plano da instituição que incluía demissões e fechamento de agências.

Ribeiro, que teve boa parte da carreira ligada às operações internacionais do banco, incluindo a integração do argentino Banco Patagonia e as operações do BB na Espanha, é desde o ano passado presidente da BB Administradora de Consórcios.

Pelo estatuto do banco, Ribeiro deve ter o nome aprovado pelo conselho de administração antes de assumir o cargo, o que tende a acontecer em 1 de abril, quando Brandão, deixará oficialmente o cargo.

Brandão caiu em desgraça com Bolsonaro em janeiro, após o BB ter anunciado um plano para fechar 361 agências e abrir um programa de demissão voluntária para 5 mil funcionários com objetivo de economizar 2,7 bilhões de reais até 2025.

O potencial desgaste político da medida levou Bolsonaro a ameaçar demitir Brandão, que havia assumido em setembro, depois de uma carreira internacional no HSBC. Na época ele substituiu Rubem Novaes, que ficou pouco mais de um ano e meio no cargo.

O BB passou as últimas semanas negando que tivesse havido pedido do governo federal para uma troca no comando e que o mal estar resultou de um problema de comunicação.

No entanto, o próprio Brandão manifestou a interlocutores desconforto em permanecer no cargo, publicou a Reuters no final de fevereiro citando uma fonte com conhecimento do assunto, dias após Bolsonaro ter anunciado a troca do comando da Petrobras.

A saída de Brandão pode reforçar a percepção de investidores de ingerência do governo federal em estatais, cujas ações têm registrado grande volatilidade no mercado nas últimas semanas.

As ações do BB encerraram o dia em queda de 0,85%, cotadas a 30,44 reais. O Ibovespa recuou 1,47%.