Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,40
    -0,26 (-0,35%)
     
  • OURO

    1.785,80
    +2,90 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    31.937,08
    -3.629,70 (-10,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    762,93
    -87,41 (-10,28%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.135,00
    +5,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9821
    -0,0540 (-0,89%)
     

Anatel pede para varejo online barrar produtos pirateados e/ou sem homologação

·2 minuto de leitura

Na tentativa de barrar a venda de produtos piratas ou que não tenham recebido sua homologação oficial, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) emitiu um comunicado às principais empresas brasileiras que atuam com o sistema de marketplace — que é quando uma plataforma de varejo online expões os itens de terceiros. Segundo a nota, enviada a organizações como Magazine Luiza, Carrefour, Submarino e Mercado Livre, medidas devem ser adotadas para evitar a venda de dispositivos que não tenham passado pela análise técnica do órgão.

Segundo o presidente da Anatel, Leonardo Euler, produtos sem homologação podem trazer diversos problemas à segurança dos consumidores. Ele afirma que celulares, carregadores e baterias ilegais podem ser encontrados em muitos marketplaces, trazendo risco direto à vida dos consumidores — para ilustrar, a agência lembrou em sua mensagem casos de pessoas que se feriram ou morreram em decorrência de choques elétricos graves.

Euler também alertou sobre a venda de bloqueadores de sinal utilizados para causar interferências de rede que facilitaram crimes como sequestros-relâmpago e da presença da revenda de aparelhos roubados nas plataformas. A mensagem também traz alertas sobre ofertas de dispositivos que oferecem acesso a sinais de TV fechada e plataformas de streaming que podem trazer softwares maliciosos dedicados ao roubo de informações pessoais.

Agência faz recomendações a empresas

Para a Anatel, o engajamento dos responsáveis pelos marketplaces é tão importante quanto a fiscalização e apreensão de produtos no comércio físico. Assim, ela cobra dos responsáveis as seguintes medidas:

  • Proibição de produtos não condizentes com as leis brasileiras;

  • Seleção criteriosa de fornecedores;

  • Uso de tecnologias que bloqueiem conteúdos que possam infringir direitos autorais;

  • Criação de uma lista de vendedores que infringiram as condições impostas pelas plataformas.

Segundo o presidente da Anatel, ações tomadas desde 2018 dentro do Plano de Ação de Combate à Pirataria (PACP) já retiraram milhares de dispositivos ilegais de circulação. Somente no primeiro semestre de 2021, foram aprendidos 600 mil equipamentos — número consideravelmente maior que os 60 mil registrados durante todo o ano de 2018 (estatística que se repetiu em 2019).

Para o futuro, a Anatel planeja endurecer suas medidas contra marketplaces que ofereçam produtos que não passaram por sua homologação e estudos técnicos. Além de trazerem possíveis riscos aos consumidores, produtos do tipo também dificultam o contato com a assistência técnica em casos de defeitos de fabricação ou danos posteriores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos