Mercado abrirá em 5 h 28 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,07
    -0,19 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.813,30
    -8,90 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    38.606,44
    -1.594,87 (-3,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,53
    -22,37 (-2,33%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.086,94
    +5,22 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.142,84
    -92,96 (-0,35%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.985,50
    +32,75 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1192
    -0,0249 (-0,41%)
     

Anatel cria grupo de trabalho para estudar e banir as TV Box piratas

·2 minuto de leitura

Responsável pela apreensão de milhões de dispositivos piratas em 2021, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) pretende fechar ainda mais o cerco contra a atividade de criminosos. A organização anunciou esta semana a criação de um novo grupo de trabalho destinado a investigar o funcionamento de aparelhos TV Box ilegais com o intuito de bani-los em anúncios de lojas online e marketplaces.

Coordenado pela Superintendência de Fiscalização da Anatel, o grupo GT TV Box pretende fazer a engenharia reversa nos aparelhos mais vendidos no Brasil para descobrir como eles funcionam. A intenção é detectar possíveis brechas de segurança que possibilitem o roubo de informações pessoais dos consumidores e que criem backdoors que garantem o acesso a redes Wi-Fi domésticas.

Suspeitas de mineração

Segundo Wilson Wellish, superintendente de fiscalização da Anatel afirmou ao site TeleSíntese, muitos aparelhos também usam a energia elétrica dos consumidores para realizar a mineração de criptomoedas. Ele explica que muitos dispositivos do tipo possuem um hardware mais potente do que o exigido pelas aplicações que oferecem, indício de que ele pode estar sendo usado para atividades além das que são prometidas.

Wellish afirma que a intenção da Anatel é elaborar um relatório até o final de agosto e, a partir disso, colocar o material apresentado para consulta pública. A intenção é criar documentações feitas por um órgão técnico e sem viés que devem facilitar a busca e a apreensão de novas remessas dos produtos — não homologados pela agência, eles contribuem para a pirataria audiovisual e muitas vezes são resultado de contrabando.

No final de maio, a Anatel enviou às principais empresas brasileiras que atuam com o sistema de marketplace o pedido para elas eliminassem de seus catálogos produtos não homologados. Além de trazer problemas à segurança dos consumidores, os dispositivos também podem representar riscos à vida graças a baterias defeituosas ou carregadores que não possuem as proteções devidas para operar com as redes elétricas brasileiras.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos