Mercado fechará em 6 h 43 min
  • BOVESPA

    124.593,13
    -18,90 (-0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.910,53
    +12,74 (+0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,05
    +0,40 (+0,56%)
     
  • OURO

    1.798,40
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    39.837,95
    +1.573,66 (+4,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    933,09
    +56,85 (+6,49%)
     
  • S&P500

    4.401,46
    -20,84 (-0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.058,52
    -85,79 (-0,24%)
     
  • FTSE

    7.005,11
    +9,03 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    15.011,50
    +63,75 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0886
    -0,0198 (-0,32%)
     

Anatel: Brasil é o terceiro país das Américas em segurança cibernética

·2 minuto de leitura
Anatel: Brasil é o terceiro país das Américas em segurança cibernética
Anatel: Brasil é o terceiro país das Américas em segurança cibernética

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou nesta quinta-feira (01/07) que o Brasil subiu várias posições no ranking classificatório chamado de Índice Global de Segurança Cibernética, da ONU. De acordo com o órgão, no recorte entre os países das Américas, o Brasil é o terceiro mais comprometido com a segurança cibernética, com nota de 96,6. Estados Unidos, com a nota máxima (100), e Canadá, com 97,67 pontos, são os líderes.

A classificação é feita pela União Internacional de Telecomunicações (UIT), órgão das Nações Unidas que e avalia o que cada país faz para contribuir com a Agenda Global de Segurança Cibernética. O levantamento anterior feito pela UIT apontava o Brasil como sexto colocado entre os países das Américas, e o 70º no ranking mundial. Agora, além de ter galgado três posições no ranking “doméstico”, o Brasil, segundo o comunicado da Anatel, ocupa a 18ª posição entre todos os países do mundo no campo de segurança cibernética.

Estrutura robusta

Segundo a UIT, o Brasil melhorou a classificação e se tornou o terceiro país das Américas com melhor segurança cibernética por ser detentor de estrutura legal robusta e com estruturas organizacionais e técnicas que podem ser fortalecidas para a segurança cibernética do País. Em seu comunicado informando a subida no ranking, a Anatel esclareceu alguns pontos do trabalho realizado.

De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações, “o Regulamento de Segurança Cibernética brasileiro obriga prestadoras de telecomunicações (empresas de telefonia fixa e móvel, de banda larga e de TV por Assinatura) a manter Política de Segurança Cibernética, realizar ciclos de avaliação de vulnerabilidades, adotar fornecedores que possuam Política de Segurança Cibernética compatível, compartilhar incidentes relevantes entre elas e a notificar a Agência sobre incidentes que afetem a segurança das redes e os dados dos usuários”.

A Anatel também esclareceu que os requisitos que as empresas que trabalham no País precisam cumprir para manter o Brasil entre os melhores em segurança cibernética estão dispostos no ato 77/2021. “O documento traz recomendações aos fabricantes e fornecedores e estabelece um Programa de Supervisão de Mercado”, explicou a agência.

Imagem: Pexels/Pixabay/CC

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos