Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.102,10
    -437,70 (-0,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.387,18
    +704,99 (+1,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,26
    +1,51 (+2,53%)
     
  • OURO

    1.713,20
    -20,40 (-1,18%)
     
  • BTC-USD

    50.601,55
    +3.104,21 (+6,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.011,71
    +23,61 (+2,39%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.674,50
    -380,75 (-2,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7794
    -0,0827 (-1,21%)
     

Analistas esperam que troca na Petrobras afete ações de outras estatais

ISABELA BOLZANI
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As falas do presidente Jair Bolsonaro deste sábado (20), sobre novas trocas em seu governo, devem impactar o mercado acionário nesta semana. Além dos reflexos nas ações da Petrobras, a expectativa de analistas é que os efeitos da intervenção na gestão da companhia também respinguem em outras estatais listadas na Bolsa brasileira. Na sexta-feira (19), a indicação do general Joaquim Silva e Luna por Bolsonaro como novo presidente da Petrobras, no lugar de Roberto Castello Branco, causou alvoroço no mercado e fez com que a companhia perdesse R$ 28,2 bilhões em valor de mercado. Neste sábado, uma nova fala do presidente elevou a cautela dos investidores. "Vocês aprenderão rapidamente que pior do que uma decisão mal tomada é uma indecisão. Eu tenho que governar. Trocar as peças que porventura não estejam dando certo. [...] Na semana que vem teremos mais", afirmou o presidente a novos soldados do Exército, numa formatura da Escola Preparatria de Cadetes do Exército, em Campinas (SP). Depois, afirmou que a mudança "não é de 'bagrinho', é de 'tubarão'", e que gasolina poderia estar 15% mais barata do que atualmente. No mesmo dia, reclamou que "agora resolveram me atacar na energia" e disse: "Vamos meter o dedo na energia elétrica, que é outro problema também". Segundo o analista da Guide Investimentos, Henrique Esteter, os novos comentários devem trazer apreensões ao mercado nesta segunda-feira (22). "É difícil saber o que esperar e, mais ainda, se alguma outra empresa estatal será alvo de troca. As coisas já parecem ter apaziguado em relação ao caso Banco do Brasil e [Wilson] Ferreira Junior acabou de anunciar sua saída da Eletrobras. Não tem muito mais o que fazer",afirmou. Em janeiro, o anúncio de que o Banco do Brasil estaria fazendo uma reestruturação organizacional irritou Bolsonaro, que ameaçou demitir o presidente do banco, André Brandão. A ministra Tereza Cristina (Agricultura) e o ministro Paulo Guedes (Economia) tiveram que intervir para evitar a saída do executivo. Além disso, no final do mês, também houve o anúncio de que Ferreira Junior deixaria a presidência da Eletrobras, ficando na gestão da companhia até 5 de março. Ferreira Junior decidiu sair em função da dificuldade na aprovação da privatização da estatal. Segundo Fabio Bonchristiano, da Íris Investimentos, as decisões contraditórias de Bolsonaro também acabam assustando o mercado. "O presidente precisa do dinheiro que o aumento da gasolina traz para o governo por causa do Orçamento restrito e diante da continuidade da pandemia, mas está se desfazendo de quem assumiu a postura que traz o aumento de receita", afirmou. A gestão Castello Branco focou no pré-sal e no pagamento de dividendos, que beneficiam a União por ser o principal acionista da Petrobras. Para Bonchristiano, apesar de a decisão de Bolsonaro ser parte de um movimento político, trará uma intensa especulação no mercado. "[Bolsonaro] está dizendo 'quem manda aqui sou eu' e está assumindo que, mesmo que a decisão não necessariamente seja boa para a empresa, ela acontecerá por ser boa para o governo. Isso respinga em outras estatais e traz um mercado bem volátil para o curto prazo", disse. Os analistas ainda esperam uma pressão de alta na curva de juros futuros e um real mais desvalorizado ante o dólar.