Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.941,42
    -273,12 (-1,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

Analistas elevam projeções para o PIB e veem Selic mais alta em 2023, mostra Focus

Pedestres caminham em frente ao Banco Central, em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - Analistas econômicos elevaram ligeiramente suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) neste ano e no próximo, de acordo com a primeira pesquisa Focus do Banco Central divulgada após números do IBGE terem mostrado que a economia brasileira cresceu mais do que o esperado no segundo trimestre do ano.

A sondagem, feita pelo BC com cerca de 100 instituições, também revelou um aumento da expectativa para o patamar da Selic no ano que vem, ao mesmo tempo que as estimativas para a inflação sofreram pequeno recuo.

Os analistas esperam que o PIB cresça 2,26% este ano e 0,47% em 2023, um aumento ante a mediana das projeções da semana anterior, de 2,10% e 0,37%, respectivamente.

No segundo trimestre, o PIB teve alta de 1,2% na comparação com os três meses anteriores, após crescimento de 1,1% entre janeiro e março. O resultado, divulgado na última quinta-feira, ficou acima da expectativa em pesquisa de Reuters de um ganho de 0,9% e mostrou aceleração do crescimento desde o recuo de 0,3% visto no segundo trimestre de 2021.

A nova pesquisa Focus apontou uma redução da mediana das projeções para o IPCA de 2022 para 6,61%, de 6,70% antes. Para o ano que vem, a expectativa para a inflação ao consumidor recuou para 5,27%, de 5,30%.

A Petrobras anunciou na quinta-feira mais uma redução nos preços da gasolina vendida a distribuidoras, de 7%, no quarto corte consecutivo desde meados de julho, confirmando indicação dada pelo presidente Jair Bolsonaro na véspera, há um mês das eleições, sobre "boa notícia" aos consumidores.

A projeção para a taxa básica de juros no final deste ano foi mantida em 13,75%, que é o patamar em vigor hoje, mas para 2022 a mediana das expectativas passou para 11,25%, de 11% antes.

(Por Isabel Versiani)