Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,02
    -0,15 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.866,20
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    13.458,85
    -84,06 (-0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    264,05
    +21,37 (+8,80%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.183,50
    -159,25 (-1,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7428
    +0,0084 (+0,12%)
     

Analistas elevam projeção para rombo primário em 2020, mostra relatório Prisma

Por Isabel Versiani
·1 minuto de leitura

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - Analistas do mercado pioraram ligeiramente a projeção para o rombo primário do governo central neste ano, mas reduziram a estimativa para o déficit em 2021, segundo mediana dos prognósticos mostrada em levantamento mensal feito pelo Ministério da Economia no relatório Prisma Fiscal, divulgado nesta quinta-feira.

A nova expectativa é que o governo central feche 2020 com déficit primário recorde de 858,2 bilhões de reais (855,3 bilhões de reais em estimativa anterior), em meio à explosão dos gastos com medidas voltadas ao enfrentamento da crise da pandemia.

Para o ano que vem, os analistas reduziram a estimativa de déficit para 218 bilhões de reais (226 bilhões de reais antes).

Ambas as projeções seguem abaixo dos números calculados pelo governo, de déficit de 871 bilhões de reais (12,1% do PIB) neste ano e de 233,6 bilhões de reais para 2021.

A expectativa do mercado agora é que a dívida bruta do governo feche este ano em 94,5% do PIB, aumentando para 95,7% do PIB em 2021.

No ano até agosto, o governo central acumulou déficit de 601,283 bilhões de reais em suas contas, excluindo as despesas com juros. A dívida bruta ficou em 88,8% do PIB, nível recorde.