Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.734,91
    +1.614,61 (+2,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Analista prevê queda de 50% nas bitcoins, com subida firme no longo prazo

Felipe Demartini
·2 minuto de leitura

Para o analista Scott Minerd, da consultoria Guggenheim Partners, o mercado das bitcoins é como um bom chope, mas com um bocado de espuma. Essa foi quase a analogia feita por ele ao prever uma queda de mais de 50% no valor das criptomoedas no curto prazo, bem como uma nova subida vertiginosa, mas consistente e ao longo dos próximos anos, que deve tornar o ativo uma modalidade financeira consolidada e, principalmente, lucrativa para investidores que souberem a hora de entrar.

O terreno acidentado, entretanto, ainda deve continuar por um tempo. Enquanto as bitcoins são negociadas na faixa dos US$ 50 mil por unidade, Minerd prevê uma baixa que a coloque entre US$ 20 mil e US$ 30 mil ao longo das próximas semanas e meses. Uma queda que representa uma perda de valor de mais da metade do recorde batido na última semana, quando a modalidade chegou a ser negociada por US$ 65 mil.

Depois, e ao longo dos próximos anos, o campo se tornará mais fértil. Com a movimentação do mercado e a aproximação do limite máximo de 21 milhões de unidades mineradas, o especialista prevê uma consolidação do mercado que deve levar os valores das bitcoins a algo entre US$ 400 mil e US$ 600 mil, representando um investimento de amplo prazo para quem souber a hora certa de entrar — não é agora, ele já deixa claro, mas sim, quando uma nova queda vertiginosa acontecer.

Minerd prevê uma estabilidade futura semelhante a de ativos como o ouro, em uma visão que é compartilhada por outros analistas de mercado. Bill Miller, investidor que defende ferozmente as bitcoins como uma alternativa confiável e lucrativa, afirma não ter mais medo de uma bolha, como a que aconteceu em 2017, enquanto novas quedas e subidas devem acontecer. Basta, a quem apostar na moeda digital, ter calma e segurar as pontas durante os momentos de baixa, aguardando subidas ainda maiores.

Para ele, a demanda é crescente em ritmo acelerado, o que faz com que, no longo prazo, essa se torne uma alternativa consolidada. Miller enxerga, também, uma demanda amplamente maior do que a oferta, algo que também faz com que os preços subam e as bitcoins se tornem uma alternativa interessante para investidores que não precisam de retorno rápido. Repetindo um jargão antigo, ele voltou a afirmar que “a volatilidade é o preço a se pagar pela performance”, em tradução livre.

No momento em que essa reportagem é escrita, as bitcoins são negociadas a US$ 48.988 por unidade, com uma queda de 10,7% nas últimas 24 horas. Entretanto, a taxa de lucratividade para quem entrou nesse mercado há um ano é de 70,3%, o que mostra, em números, um pouco do que os analistas enxergam de forma ainda mais forte no futuro distante.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: