Mercado fechará em 3 h 58 min
  • BOVESPA

    108.511,21
    +1.132,29 (+1,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.455,92
    +188,72 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,33
    +1,27 (+2,95%)
     
  • OURO

    1.801,90
    -35,90 (-1,95%)
     
  • BTC-USD

    19.295,26
    +843,30 (+4,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,38
    +10,63 (+2,87%)
     
  • S&P500

    3.606,96
    +29,37 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    29.927,86
    +336,59 (+1,14%)
     
  • FTSE

    6.417,51
    +83,67 (+1,32%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.907,50
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3927
    -0,0476 (-0,74%)
     

Anac ainda trabalha em ajustes finais para retorno de Boeing 737 MAX no país

Por Paula Arend Laier e Anthony Boadle
·2 minuto de leitura

Por Paula Arend Laier e Anthony Boadle

(Reuters) - A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) comunicou nesta quarta-feira que a liberação para retorno das operações das aeronaves modelo Boeing 737-800 MAX no Brasil ainda depende do término dos trabalhos realizados pela agência quanto ao processo de validação das modificações do projeto.

"O objetivo é demonstrar que o projeto com as modificações propostas é seguro e atende aos requisitos de aeronavegabilidade necessários", afirmou em comunicado.

A autoridade de aviação norte-americana, a Federal Aviation Administration (FAA), autorizou nesta quarta-feira a Boeing a retomar os voos de seu jato 737 MAX após dois acidentes fatais, bem como divulgou uma diretriz de aeronavegabilidade detalhando as mudanças necessárias.

Os acidentes do 737 MAX na Indonésia e na Etiópia mataram 346 pessoas em cinco meses em 2018 e 2019 e desencadearam uma tempestade de investigações, desgastaram a liderança dos EUA na aviação global e custaram à Boeing cerca de 20 bilhões de dólares.

A partir da diretriz da FAA, a Anac afirmou que procederá com os ajustes finais para conclusão do processo de validação para retorno do modelo Boeing 737- 800 MAX no Brasil.

"Após o término desse trabalho, o operador brasileiro da aeronave, que atualmente é a GOL Linhas Aéreas, deverá incorporar e demonstrar de forma satisfatória o cumprimento de todas as novas diretrizes, tanto em termos de projeto quanto de treinamento de pilotos", disse a agência.

A Anac acrescentou que a decisão da FAA foi resultado de um trabalho realizado em conjunto com a agência brasileira e outras autoridades de aviação civil no mundo, em especial a autoridade europeia European Aviation Safety Agency (EASA) e a canadense Transport Canada Civil Aviation (TCCA).

"Este esforço é exemplo de cooperação entre autoridades da aviação civil, apenas alguns países têm experiência para certificar um sistema tão complexo", afirmou o diretor-presidente substituto da Anac, Rafael Botelho.

"No entanto, a Anac trabalha com avaliações independentes para assegurar que todos os requisitos necessários serão atendidos no retorno seguro das operações dessas aeronaves no Brasil", acrescentou.