Mercado abrirá em 8 h 32 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,55
    +1,37 (+2,07%)
     
  • OURO

    1.780,50
    +4,00 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    57.142,18
    -92,51 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.471,56
    +28,78 (+2,00%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.059,45
    -50,50 (-0,71%)
     
  • HANG SENG

    23.811,36
    +336,10 (+1,43%)
     
  • NIKKEI

    28.047,62
    +225,86 (+0,81%)
     
  • NASDAQ

    16.316,50
    +166,00 (+1,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3899
    +0,0199 (+0,31%)
     

Ana Carolina Raimundi estreia série no 'Fantástico' e fala sobre etarismo: 'Tenho cabelos brancos desde os 18'

·2 min de leitura

Muitos abusos e desrespeitos sofridos cotidianamente pelas mulheres ainda têm nomes pouco conhecidos. É o caso do “etarismo”, relacionado a preconceitos de idade, e do “manterrupting”, termo em inglês para classificar situações em que o homem interrompe as falas da mulher. “Isso tem nome”, série de três episódios que a repórter Ana Carolina Raimundi estreia neste domingo no “Fantástico”, se debruça justamente sobre essas expressões.

Como são palavras ainda muito restritas às redes sociais, ela considera um avanço levá-las à TV aberta. “Se eu furar a bolha e fizer uma mulher entender que ela não está sozinha e que sofre abuso emocional, já ficarei satisfeita”, diz a repórter, que entrevistou nomes como a apresentadora Fátima Bernardes e a escritora Conceição Evaristo para o quadro.

Produzida por uma equipe totalmente feminina, incluindo as cinegrafistas, a série vai mostrar como encontrar a palavra certa para uma dessas situações de abuso e desrespeito pode ser um caminho importante para curar feridas, melhorar a autoestima e até conseguir denunciar um crime. O mote, aliás, encontra ecos na própria trajetória de vida de Ana Carolina. "Sou inconformada desde pequena. Minha família é bem machista, e fui criada com meus primos jogando futebol, enquanto eu lavava a louça", conta a jornalista, ao relembrar a infância vivida em Niterói. "Depois de certa idade, comecei a questionar várias situações que vivia com meus amigos, familiares e colegas de trabalho."

Ela conta que passou a se perguntar também por qual motivo o mundo é mais difícil para as mulheres e nunca se conformou com respostas do tipo "porque sim" ou "é assim mesmo". Aprofundar-se sobre expressões como "etarismo", portanto, pode ser uma experiência reveladora, segundo a repórter, que acaba de completar 40 anos. "Tenho cabelos brancos desde os 18 anos e nunca me foi dada a opção de deixá-los assim, sendo que é uma característica natural minha."

O tema, aliás, será abordado em um dos episódios com a apresentadora Fátima Bernardes. A apresentadora vai falar sobre o seu relacionamento com o deputado federal Túlio Gadêlha (PDT). "A diferença de idade só é notícia quando a mulher é mais velha", comenta Ana Carolina.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos