Mercado fechado

Anúncio de sinal de vida em Vênus é 'imprudente' e 'precipitado', diz astrofísica brasileira associada à Nasa

Ricardo Senra - @ricksenra - Da BBC Brasil em Londres
·9 minutos de leitura
Duilia de Mello
"Estamos em uma fase muito complicada da ciência, com as pessoas negando a ciência. Então é preciso ser muito cuidadoso."

Março de 2014: cientistas chocam o planeta com o anúncio da detecção de ondas gravitacionais descritas como "ecos" do Big Bang, em uma descoberta retratada como das mais importantes da história sobre as origens do universo. O anúncio é destaque nas principais revistas científicas e especialistas dão o prêmio Nobel como certo para a equipe de astrônomos.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Janeiro de 2015: os mesmos cientistas voltam atrás, pedem desculpas à comunidade científica, e afirmam que o que haviam descrito como reflexo da megaexplosão que aconteceu há 14 bilhões de anos era na verdade uma interpretação equivocada. As ondas atribuídas ao Big Bang eram, na verdade, sinais emitidos pela poeira que se espalha pela Via Láctea. A descoberta virava pó.

Leia também

Cinco anos depois, o anúncio da descoberta de um gás que pode indicar a presença de micróbios na atmosfera de Vênus vem gerando ondas de euforia - apesar de várias ressalvas apontadas pelos próprios cientistas. Divulgada na segunda-feira (14) pela revista Nature Astronomy e pela Sociedade Astronômica Real, de Londres, a pesquisa tem sido descrita como o indício mais forte de vida extraterrestre já anunciado pela ciência.

Explica-se: no planeta Terra, as mesmas moléculas de fosfina identificadas pelo estudo em Vênus só existem na natureza como fruto da ação de seres microscópicos que vivem nas entranhas dos animais e em ambientes pobres em oxigênio, como pântanos.

Vênus
A fosfina foi encontrada nas nuvens de Vênus a uma altitude de 50 a 60 km

Como não há outra explicação para a presença natural de fosfina além da atuação destes micróbios, a descoberta poderia ser um sinal concreto de vida na atmosfera venusiana. Mas cientistas importantes como a astrofísica brasileira Duilia Fernandes de Mello, vice-reitora da Universidade Católica de Washington e pesquisadora junto à Nasa há 18 anos, pedem cautela.

"As pessoas, às vezes, na ansiedade de mostrar resultados, acabam cometendo erros", diz a professora em entrevista à BBC News Brasil.

Na avaliação da brasileira, responsável pela descoberta da supernova SN1997 (supernovas são as megaexplosões que ocorrem no fim do ciclo de uma estrela) e participante da equipe que identificou as chamadas "bolhas azuis" (aglomerados estrelares detectados pelo famoso telescópio Hubble), o anúncio sobre Vênus é "imprudente", carece de "confirmação" e pode ser fruto de uma "coincidência".

"Estamos em uma fase muito complicada da ciência, com as pessoas negando a ciência. Então é preciso ser muito cuidadoso."

Coincidência?

Liderada por astrônomos da Universidade de Cardiff, no País de Gales, em parceria com outros cientistas no Reino Unido, nos EUA e no Japão, a pesquisa identificou a presença de moléculas de fosfina em Vênus por meio de ondas de rádio pelo telescópio James Clerk Maxwell, no Havaí.

Elas foram confirmadas por um conjunto de 45 das 66 antenas que formam uma espécie de telescópio gigante no importante observatório Alma, que fica no deserto do Atacama, no Chile.

molécula de fosfina
A molécula de fosfina é composta por um átomo de fósforo e três átomos de hidrogênio.

"Só que são dois instrumentos completamente diferentes", aponta a astrofísica brasileira. "Era preciso que fosse feita uma reconfirmação com o próprio Alma."

A principal interrogação levantada pela equipe de cientistas chefiados pela professora Jane Greaves, autora do estudo pela Universidade de Cardiff, é sobre a origem da fosfina encontrada em Vênus — e a possibilidade de que a molécula, diferente do que acontece no planeta Terra, possa ser fruto de fenômenos que não envolvam organismos vivos.

"Estamos genuinamente encorajando outras pessoas a nos mostrar um fator (que explique a fosfina sem envolver a vida) que nós podemos ter deixado passar", disse Greaves em comunicado à imprensa. "Nossos artigos e dados podem ser acessados por outros pesquisadores; é assim que a ciência funciona."

No texto que detalha a descoberta, os autores mostram que fizeram uma série de testes na tentativa de identificar a possibilidade de uma origem natural e não-biológica para a molécula. Mas não encontraram uma resposta convincente — o que poderia reforçar a tese de vida microscópica em Vênus.

Em coro com outros cientistas, por outro lado, a brasileira Duilia de Mello chama atenção para o método usado para a identificação da fosfina na atmosfera venusiana.

À reportagem, ela explica que os dados captados pelos equipamentos usados no estudo são fruto de uma razão entre o sinal emitido pelo objeto pesquisado, no caso Vênus, e o ruído intrínseco à observação — como o barulho da atmosfera da Terra ou dos instrumentos usados, por exemplo.

"Nesse caso, esta razão, que é a divisão entre o sinal e o ruído, é muito baixa. O ruído está quase dominando o sinal, a detecção", avalia a brasileira.

Ela continua: "Quando é assim, quando são sinais muito fraquinhos, é preciso observar várias vezes e em outras épocas, para confirmar realmente se a detecção foi feita ou se não foi apenas uma coincidência por conta de um, digamos, sinalzinho errado (um ruído confundido com um sinal)".

Duilia de Mello
Experiência leva a brasileira a optar pela prudência na divulgação científica: "Vênus não vai sair de lá, né?"

Ponderação

A especialista brasileira ressalta a relevância de pesquisas detalhadas sobre Vênus — "um planeta muito parecido com o nosso em tamanho e muito próximo".

"Dada a importância de uma substância que tem a ver com vida em outro planeta, achei imprudente terem publicado agora", pondera. "Eles poderiam ter esperado mais para confirmar o resultado."

A Nasa se limitou a fazer um breve comentário sobre o anúncio, destacando que "não fez parte da pesquisa e não pode comentar diretamente sobre as descobertas".

"No entanto, nós acreditamos no processo científico de revisão por pares e aguardamos a discussão encorpada que vai acontecer na sequência dessa publicação", disse a agência.

Segundo o estudo, o gás fosfina foi observado nas latitudes médias do planeta, a aproximadamente 50 a 60 km de altitude. A concentração é pequena, eles formam apenas de 10 a 20 partes em cada bilhão de moléculas atmosféricas. Mas, neste contexto, isso é bem significativo.

observatório Alma
Antenas formam telescópio gigante no importante observatório Alma, no deserto do Atacama, no Chile.

Uma hipótese semelhante à levantada pela brasileira aparece em um artigo publicado pela The Planetary Society (Sociedade Planetária), fundada há 40 anos pelo astrônomo Carl Sagan — que, por sua vez, foi o primeiro cientista a levantar a possibilidade de vida nas nuvens de Vênus em um artigo publicado em 1967, na revista Nature, junto ao biofísico molecular Harold Morowitz.

"Este é o primeiro anúncio de uma detecção difícil que exigiu uma significativa modelagem e análise de dados para separar o sinal de fosfina do ruído", diz o texto.

"É possível que a análise dos autores contenha um erro ou tenha ignorado algum contexto importante, levando a um resultado falso-positivo. Equipes científicas independentes devem agora fazer o trabalho para confirmar esse sinal".

Em entrevista à BBC News, o professor da Universidade de Oxford Colin Wilson, que trabalhou na sonda Venus Express da Agência Espacial Europeia entre 2006 e 2014, mencionou pontos semelhantes aos da brasileira, mas disse acreditar na metodologia usada.

"É realmente emocionante e levará a novas descobertas — mesmo que a detecção de fosfina original acabe sendo uma interpretação espectroscópica incorreta, o que eu não acho que será", ponderou.

"Acho que a vida nas nuvens de Vênus hoje é tão improvável que nós vamos encontrar outras vias químicas de criação de fosfina na atmosfera. Mas vamos descobrir muitas coisas interessantes sobre Vênus nesta pesquisa", prosseguiu o professor inglês.

Missões a Vênus

Venus
Venus tem condições atmosféricas inóspitas para a vida como a conhecemos, com temperaturas da superfície ultrapassando 400° C

Questionada pela BBC News Brasil sobre o que poderia ter levado os pesquisadores à uma eventual publicação precipitada, Duilia de Mello lembra que "estamos em momento de decidir missões espaciais, tanto na Europa quanto aqui (nos EUA)".

Em fevereiro deste ano, a Nasa anunciou dois projetos de lançamentos com destino a Vênus entre os finalistas de um processo de seleção de missões espaciais. A decisão será divulgada em 2021.

Também em meados do ano que vem, a Agência Espacial Europeia bate o martelo sobre uma expedição que pretende estudar a geologia e a composição química da atmosfera de Vênus.

"Um resultado desse tipo motiva missões", diz a brasileira. "Estou só especulando que isso poderia ser, até inconscientemente, algo que nos leva a divulgar esse tipo de resultado para mostrar a importância de se ir a Vênus, por exemplo."

Nascida em Jundiaí, no interior de São Paulo, e criada no subúrbio do Rio por uma família com poucos recursos financeiros, a astrofísica se tornou uma das raras representantes da ciência brasileira no Centro de Voos Espaciais Goddard, maior laboratório de pesquisas da Nasa em Washington, capital dos EUA.

Com um currículo que inclui participação, em 2013, na descoberta da então maior galáxia em espiral do Universo, a brasileira se tornou uma das poucas astrônomas a conhecerem em detalhes o telescópio Espacial Hubble, da Nasa, um de seus principais meios de pesquisa em colaboração com a agência espacial norte-americana.

Duilia de Mello
Duilia de Mello lembra que "estamos em momento de decidir missões espaciais, tanto na Europa quanto aqui (nos EUA)"

"A Universidade Católica de Washington tem um instituto dentro da Nasa que possibilita esta colaboração. Temos 100 funcionários da universidade dentro da Nasa trabalhando full-time", diz a brasileira, que também coordena o projeto Mulher das Estrelas, que desde 2016 oferece mentoria em especialidades como física, matemática e robótica a jovens que sonham em seguir carreiras científicas.

A experiência leva a brasileira a optar pela prudência na divulgação científica.

"Vênus não vai sair de lá, né?"

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube